ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

História do Grupo Estado nos anos 1910

Os fatos que marcaram o país e o mundo, expostos nas capas históricas do jornal O Estado de S. Paulo.

Filtrar por data ou por período:
  • 1910

    Sucursal em Santos

     

    No início do século XX, em meio à expansão econômica provocada pela exportação do café, o porto e a cidade de Santos, no litoral de São Paulo, desempenharam importante papel no desenvolvimento industrial do País.

    Para acompanhar de perto o noticiário do dia a dia na cidade, o Estadão abriu uma sucursal em Santos, na Rua 15 de Novembro.

    Sucursal da Província em Santos Sucursal da Província em Santos
  • 1910

    Fraude denunciada

     


    Prossegue a Campanha de Civilista. Em 1.º de março Rui Barbosa é derrotado em um pleito fraudulento. No dia 27, o jornal publica o manifesto de Rui denunciando as irregularidades. O jornalista e poeta Amadeu Amaral começa a colaborar com o Estado.

    No dia 27/3/1910, o jornal publica o manifesto de Rui denunciando as irregularidades nas eleições Artigo "Natal", escrito por  Amadeu Amaral, 25/12/1910
  • 1911

    Nova sucursal

      

     

    O Estado abre uma sucursal em Roma, dirigida por Nicolau Ancona Lopes.

    O Estado abre uma sucursal em Roma. O Estado abre uma sucursal em Roma.
  • 1912

    Investimento

     

    O Estado compra terrenos nas ruas Boa Vista e 25 de março, onde seria erguida a primeira sede própria do jornal.As novas oficinas gráficas seriam equipadas com novas rotativas Marinoni, encomendadas na Europa especialmente para o Estado. Os modernos linotipos permitiam ao jornal uma tiragem de 35.000 exemplares.

     

     

    Aumento de tiragem com novas máquinas de impressão O novo prelo do estadao  na edição de 27 de março de 1912
  • 1912

    Mudanças


     

    Neste ano Julio Mesquita adoece e embarca para a Europa para um tratamento de saúde. Mesmo assim é escolhido para substituir Cerqueira César no senado estadual. Nestor Pestana, então secretário, assume interinamente a chefia da Redação. José Filinto da Silva, também doente, se aposenta, sendo substituído temporariamente na gerência por Armando de Salles Oliveira, genro de Júlio Mesquita, e em seguida por Ricardo Figueiredo.

    Julio Mesquita adoece e embarca para a Europa para um tratamento de saúde, 1/5/1912 Nestor Pestana assumiu interinamente a chefia de Redação
  • 1913

     

    Desgostoso com a infidelidade de antigos companheiros da Campanha Civilista, Julio Mesquita envia uma carta da Europa renunciando à cadeira no senado estadual. A carta é ocultada por seus correligionários, na esperança de que ele mudasse de ideia.

    Ao retornar da Europa Julio Mesquita, seguindo recomendações médicas, vai direto para sua fazenda em Louveira e passa a dirigir o jornal por meio de cartas aos seus principais auxiliares.

    Boatos da renúncia de Julio Mesquita no Senado estadual, 28/7/1913 Boatos da renúncia de Julio Mesquita no Senado estadual, 28/7/1913
  • 1914

    Monteiro Lobato

      

    Monteiro Lobato, até então um desconhecido, escreve o artigo Uma Velha Praga, texto que foi endereçado à Seção Queixas e Reclamações do Estado. O texto fazia duras críticas às queimadas promovidas pelos caboclos. Devido à importância do teor do texto, o artigo é deslocado para o corpo do jornal e ganha grande repercussão. Lobato passou a colaborar com freqüência no jornal, até que, em 1915, começou a trabalhar na redação do Estadinho.

    Monteiro Lobato envia o artigo "Uma velha praga" à seção Queixas e Reclamações Monteiro Lobato, colaborador do Estado
  • 1914

    Cobertura da Primeira Guerra

     


    Durante a Primeira Grande Guerra, Julio Mesquita escreveu boletins ou artigos semanais em que analisava o conflito.  Nesses artigos, que em 2002 seu bisneto Ruy Mesquita Filho reuniu no livro A Guerra, em quatro volumes, o jornalista tomou posição inequívoca em favor dos aliados, mostrando-se a favor da democracia e contra o militarismo alemão.  Em represália, indústrias alemãs cortaram os anúncios que faziam no jornal. Com o boicote, o jornal passa a enfrentar dificuldades financeiras. Apesar das pressões, o Estado mantém sua posição contrária ao militarismo. 


    Boletim Semanal da Guerra, escrito por Julio Mesquita, tornou-se leitura obrigatória na cidade, 23/8/1915 Boletim Semanal da Guerra, escrito por Julio Mesquita, tornou-se leitura obrigatória na cidade, 31/5/1915
  • 1915

    Estadinho

     

    O Estado lança a Edição da Noite para publicar principalmente notícias da Primeira Guerra, que circulou até 1921 e ficou conhecida como Estadinho, um jornal irrequieto e às vezes irreverente, em comparação com o Estadão, como era chamada a edição da manhã. Seu diretor era Julio de Mesquita Filho, que iniciava sua carreira de jornalista, enquanto seu irmão, Francisco Mesquita, se dedicava à área administrativa.  

    Estado lança a Edição da Noite para publicar principalmente notícias da Primeira Guerra Estado lança a Edição da Noite
  • 1915

    Apoio à Campanha Nacionalista

      O jornal passa a apoiar a Campanha Nacionalista lançada pelo poeta Olavo Bilac, a qual propunha o serviço militar obrigatório, por acreditar que assim o militarismo se enfraqueceria com a entrada de civis na tropa, diluindo o corporativismo do Exército, além de despertar o civismo nos jovens.

    Estado apoia Campanha Nacionalista Estado apoia Campanha Nacionalista
  • 1917

    Jornalismo científico

      

    O jornalista Manequinho Lopes, formado em Botânica na Europa, é indicado pelo amigo Monteiro Lobato e começa a trabalhar na Redação. Foi um dos pioneiros no jornalismo científico do Brasil assinando com as iniciais O.F. Suas matérias fizeram tanto sucesso que se transformaram em uma coluna chamada Assuntos Agrícolas.

    Manequinho Lopes, editor da coluna Assuntos Agrícolas Manequinho Lopes, editor da coluna Assuntos Agrícolas
  • 1917

    Julio de Mesquita Filho

     

    Durante a grande greve na cidade de São Paulo, Julio de Mesquita Filho é convidado pelos operários para ser o mediador entre eles e seus patrões em suas reivindicações, como jornada de oito horas, proibição do trabalho noturno para mulheres e crianças e melhores salários.

  • 1918

    Tempos difíceis

     


    Terminada a guerra, o jornal enfrentou tempos difíceis com a gripe espanhola, que fez milhares de vítimas em São Paulo, entre as quais dois redatores de sua equipe.  Em nota de primeira página, aconselhou a população, na edição de 2 de novembro de 1918, a procurar hospitais e postos de saúde.

    “O Estado só não suspendeu sua publicação por milagre”, observou Paulo Duarte, ao escrever a história do jornal.  

    Surto de gripe espalhola em São Paulo. Nota de utilidade foi publicada na capa da edição de 2/11/1918 Epidemia de gripe espanhola em São Paulo
  • 1919

     


    O Estado apóia novamente a candidatura de Rui Barbosa à presidência da República, que viria a ser derrotado por Epitácio Pessoa.

    Apoio à candidatura de Rui Barbosa, 22/9/1919 Apoio à candidatura de Rui Barbosa
PÁGINA EM DESTAQUE

70 anos do Masp

Inaugurado em 1947; museu foi para Paulista em 1968 70 anos do Masp

Publicada em 03 de setembro de 1947

Tópicos
ver todos
  • Acervo/Estadão
    1.

    Primeira Guerra

    O conflito, de escala global, foi iniciado na Europa em 1914

  • Jonne Roriz/ Estadão
    2.

    Olimpíadas

    Competição que reúne os principais esportes e atletas do mundo

  • Acervo/Estadão
    3.

    Estado Novo

    Ditadura civil brasileira liderada por Getúlio Vargas

  • Acervo/Estadão
    4.

    Bossa Nova

    Movimento musical brasileiro surgido nos anos 50

  • Ivan Dias/ Estadão
    5.

    Internet

    Rede Mundial de Computadores