ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

40 anos da invasão da PUC de São Paulo

Marcada pela violência, operação realizada por agentes da ditadura militar deteve 1,5 mil estudantes

22 de setembro de 2017 | 10h 17
Liz Batista

Tropa de choque e agentes do Dops detém estudantes no campus da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 22/9/1967.
Foto: Antônio Lúcio/ Estadão

 Na noite de 22 de setembro de 1977, uma ofensiva policial conduzida por 500 homens da tropa de choque e agentes do Dops sob o comando do coronel Erasmo Dias, então secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, invadiu de forma violenta a Pontifícia Universidade de São Paulo e prendeu cerca de 1,5mil pessoas.    

O Estado de S.Paulo - 23/9/1977   


Cerca de dois mil estudantes, de diferentes Estados, estavam reunidos para o 3º Encontro Nacional de Estudantes. Um ato público, que buscava reorganizar a União Nacional dos Estudantes (UNE), ocorria na faculdade. A entidade foi tornada ilegal pela ditadura militar em 1964, mas, no final dos anos 1970, animados pelas grandes manifestações de rua e sob a promessa da “abertura lenta, gradual e segura” do governo Geisel, o movimento estudantil buscava reorganizá-la. 
 

O Estado de S.Paulo - 23/9/1977  

   


A truculenta operação foi capa do Estado do dia seguinte. “Em meio meio à explosões de novas bombas, que quebraram alguns vidros da frente da universidade, estudantes, funcionários e professores eram retirados do restaurante e de salas de aula e levados para o estacionamento”, contava a matéria publicada em 23 de setembro de 1977. Na edição do dia seguinte, o jornal trouxe relatos de estudantes feridos e imagens das instalações da universidade quebradas e devastadas. A publicação reservou um espaço para as declarações do secretário de Segurança. O coronel Erasmo Dias justificava-se, dizia que os feridos eram “fruto apenas de não entenderem de bombas de gás lacrimogêneo” e que os homens sob seu comando foram “obrigados a usar uma certa violência, pois não houve alternativa.”   

 O Estado de S.Paulo - 24/9/1977   

     


O Estado de S.Paulo - 22/9/1977   
 

O encontro havia sido inicialmente marcado para acontecer na Universidade de São Paulo (USP) e depois na Faculdade Getúlio Vargas (FGV), mas sua realização foi frustrada por agentes militares dias antes. Centenas de estudantes foram presos, no rígido esquema de policiamento organizado para evitar a reunião. As autoridades falavam em 15 mil homens mobilizados para a operação.     

 

Leia também:

#PUC-SP diploma alunos mortos pela ditadura militar

Tópico: Ditadura militar

#Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão |

# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram |

FOTOS HISTÓRICAS

Leila Diniz e amigas em 1967

Veja essa e outras imagens que marcaram época Leila Diniz e amigas em 1967

Foto: Ywane Yamazaki/Estadão

Tópicos
ver todos