ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

66 dias de terror e morte na luta de SP contra a gripe espanhola

Veja semelhanças entre atual epidemia da Covid-19 e da doença que marcou o início do século 20

22 de maio de 2020 | 20h 52
Liz Batista - Acervo Estadão

Charge da Gazeta de Notícias mostra a chegada da gripe espanhola ao Brasil, 29/9/1918.

Charge da Gazeta de Notícias mostra a chegada da gripe espanhola ao Brasil, 29/9/1918.

A  epidemia de gripe espanhola, a mais mortal da história contemporânea, com cerca de 50 milhões de mortes estimadas em todo o mundo, atingiu a cidade de São Paulo no início de outubro de 1918. Diante do rápido avanço da doença o Serviço Sanitário Estadual de São Paulo, na figura de seu diretor Arthur Neiva, decretou estado epidêmico em 15 de outubro de 1918. O que possibilitou, entre outras medidas,  a suspensão das aulas nas escolas e o fechamento de estabelecimentos comerciais e de entretenimento. O estado de emergência foi levantado em 19 de dezembro daquele ano, quando o registro de mortos passou a indicar uma queda significativa. Na conta oficial da cidade 5.331 pessoas morreram da gripe. Foram 66 dias de medo e morte, como lembra o jornalista e escritor Roberto Pompeu de Toledo na obra A Capital da Vertigem (2015).  A história dos dias em que São Paulo foi tomada pelo mal estão preservados nas páginas do Acervo Estadão

Em nota publicada na sua edição noturna de 16/10/1918, o Estadão apoiava a decretação de estado epidêmico e cobrava suspensão de aulas em todas as escolas

Em nota publicada na sua edição noturna de 16/10/1918, o Estadão apoiava a decretação de estado epidêmico e cobrava suspensão de aulas em todas as escolas

À partir dos registros do período é possível apontar semelhanças entre a epidemia de gripe em 1918 e atual epidemia de Covid-19. Como os métodos de prevenção e contenção como o isolamento social e atenção à higiênia  e as ações de solidariedade em meio à crise.  Mas, enquanto a história da epidemia de 1918 pode ser circunscrita à cerca de dois meses na cidade de São Paulo, a da epidemia atual ainda tem seu fim incerto. Na quinta-feira, 21 de maio, 66 dias após o 1º óbito por Covid-19 ter sido registrado no País, o Brasil bateu um novo recorde de 1.188 mortes em um dia pela doença.

A gripe espanhola em SP. Os primeiros registros da gripe espanhola datam do início de 1918, em agosto a doença já havia se alastrado pelo mundo. Em setembro daquele ano chegou à capital do Brasil. Pela imprensa, os paulistas liam com receio as notícias alarmantes que chegavam do Rio de Janeiro sobre a evolução da epidemia. No entanto, a moléstia em sua forma mais grave parecia ainda não ter atingido São Paulo. Os relatos tratavam da manifestação da “grippe hespanhola” ou “influenza hespanhola” em sua “forma benigna”, os hospitais da cidade contavam convalescentes e não mortos. Mas no prazo de poucos dias, o cenário mudou e os paulistas conheceram a força avassaladora da doença. Em novembro de 1918, SP já realizava contagem diária de mortos e infectados pela gripe.

Estado de S.Paulo - 08/11/1918

Clique aqui para ler a notícia  

Comunicado do Serviço Sanitário para prevenção da gripe espanhol, 1918.

Comunicado do Serviço Sanitário para prevenção da gripe espanhol, 1918.

No noticiário as informação vão da identificação dos primeiros casos, passando pelas medidas adotadas contra o avanço da epidemia as ações beneméritas para ampliar e adaptar a rede de hospitai,s que contava principalmente com a Santa Casa de Misericórdia e com o então Hospital de Isolamento, hoje Instituto Emílio Ribas. Das mudança no dia a dia da população ao luto que se abateu sob a cidade, com contínuos cortejos fúnebres e coleta de corpos. Da rápida demanda de expansão dos serviços funerários à construção de novos cemitérios e valas comuns para comportar os mortos e a instalação de iluminação nos já existentes para que enterros pudessem ser feitos durante todo o dia e toda a noite. 

Leitos foram improvisados nas dependências do Clube Palestra Itália em 1918.
Clique aqui para ler a notícia do Estadão de 26/10/1918

Leitos foram improvisados nas dependências do Clube Palestra Itália em 1918.
Clique aqui para ler a notícia do Estadão de 26/10/1918

O "Club Athletico Paulistano" adaptou instalações para comportar leitos para os doentes da gripe espanhola, São Paulo, SP, 1918. 

Diferente da epidemia provocada pelo novo coronavírus, que teve o primeiro caso registrado em São Paulo, fato que soou o alerta para a chegada da epidemia no Brasil, a gripe espanhola chegou ao País pelo Rio de Janeiro e levou cerca de cinco dias até se instalar em São Paulo. Por isso, nesse meio tempo, muitos paulistanos nutriram a esperança de que talvez a gripe pudesse poupar a cidade.

Levando em conta a escassez de informações sobre a doença, fato agravado pela censura de guerra que vigorou durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918); a ausência de organizações médicas internacionais que informassem sobre as características, comportamento e forma de contaminação da doença, a demora na execução de medidas de combate à gripe foram, em certa medida, um produto do seu tempo e condições históricas. Em 1918, teorias científicas ainda disputavam sobre a natureza do organismo causador da "influenza hespanhola". Enquanto alguns cientistas afirmavam que se tratava de uma bactéria, outros defendiam que era um vírus, dividindo opiniões sobre a forma de controle da epidemia.

Caixões são empilhados em um caminhão para serem tranportados para cemitérios, 1918. 

As contas dos esforços contra a epidemia da gripe espanhola foram apresentadas pelo prefeito de Washington Luís à Câmara Municipal e publicadas no Estadão de 08/12/1918. 

Clique aqui para ver a publicação 

 O Estado de S.Paulo 08/12/1918
Clique aqui para ver a página

A luta contra a epidemia. Nesse contexto, muitos dos cuidados aplicados no combate à outras doenças acabaram por ser as armas utilizadas contra a epidemia em curso. O isolamento social, por exemplo, revelou-se essencial para reduzir o ritmo da contaminação. Assim, medidas como o fechamento de escolas, “theatros” , “cinematógraphos”, “bars” e a suspensão de campeonatos “sportivos” foram as primeiras ações  a serem colocadas em prática. Autoridades também propuseram reorganizar datas de feriados  para ajudar no esforço de manter a população em casa e o comércio fechado.

Fechamento das escolas foi uma das primeiras medidas adotadas para enfrentar a gripe.
Clique aqui para ler a notícia do Estadão de 18/10/1918.

Fechamento das escolas foi uma das primeiras medidas adotadas para enfrentar a gripe.
Clique aqui para ler a notícia do Estadão de 18/10/1918.

O Estado de S.Paulo - 24/10/1918
Clique aqui para ver a página

 

O "Theatro Municipal" fechou as portas em 24 de outubro, após a soprano da temporada cair doente. O Campeonato Paulista de "Football" foi suspenso. Fora dos campos, os "clubs" voltaram-se contra um adversário comum, a epidemia, e organizaram ações beneméritas para ajudar os afetados pela gripe. O Clube de Regatas do Tietê, assim como outras tradicionais associações esportivas de São Paulo, transformou sua sede em um posto médico de atendimento

Notícia da adaptação da sede do Clube de Regatas Tietê para atender os doentes e nota de pesar pelos "sportsman" (atletas) mortos pela gripe espanhola, 1918. 

Clique aqui aqui para ver as páginas

Na esfera político administrativa,  medidas foram tomadas para garantir o abastecimento da cidade, créditos foram abertos e orçamentos foram emergencialmente alterados para enfrentar a situação.  O Estadão, mesmo  afetado pela falta de pessoal afastado por conta da doença, conseguiu manter um boletim informativo sobre o curso da epidemia. Nesse noticiário constam outras medidas dignas  de menção, entre elas os cuidados com a desinfecção dos bondes; a adaptação de prédios para instalação de leitos para os doentes - para citar um exemplo, as dependências do Mosteiro São Bento, no centro de São Paulo, foram transformadas para funcionar como um hospital. 

Monteiro Lobato assumiu o comando do Estadão em meio à epidemia de gripe espanhola em 1918.

Clique aqui para saber mais

Monteiro Lobato assumiu o comando do Estadão em meio à epidemia de gripe espanhola em 1918.

Clique aqui para saber mais

 Notícias sobre a gripe espanhola 
Edição noturna do Estadão de 1918

Distribuição de sopas durante a epidemia de gripe espanhol, 1918.

Distribuição de sopas durante a epidemia de gripe espanhol, 1918.

Uma campanha pedindo aos comerciantes e industriais que reduzissem as horas de trabalho e mantivessem funcionários doentes afastados do serviço, até o restabelecimento de sua saúde, sem demissões. O estabelecimento de canais para a difusão das medidas de  prevenção indicadas pelos serviços de Saúde nos jornais - como a publicação nos jornais dos boletins do Serviço Sanitário e listas, divididas por região,dos hospitais e instituições que os convalescentes deveriam procurar.

Edição noturna do Estadão de 29/10/1918.

O fim do flagelo. Com a desaceleração do contágio e  a redução das mortes pela gripe no começo de dezembro de 1918, o prefeito, Washington Luís, encaminhou a prestação de contas dos esforços empregados contra a doença à Câmara Municipal. Dias depois, foi decretado o final do estado de epidemia em São Paulo.

No documento, ele agradece a “ indiscutível” solidariedade de todos e confiança dos parlamentares  na sua administração “durante os calamitosos dias”  em que a população de São Paulo foi “flagelada. pela peste”.

Relatório de contas da epidemia em SP
O Estado de S.Paulo - 08/12/1918

Relatório de contas da epidemia em SP
O Estado de S.Paulo - 08/12/1918

O texto, assume um tom autoral de um combatente que retorna da guerra e  revela o espanto e o sentimento de impotência ante a fúria devastadoras da epidemia. “Não conservam, os contemporâneos memória de um flagelo igual; conta a História que, na Idade Média, confusa e obscura, pestes assolaram a humanidade (...) Mas, parece que a previsão dos homens, os progressos da Ciência, os ensaiamentos da higiene, tinham afastado ou, pelo menos, reduzido essas terríveis consequências (…) A invasão insólita da epidemia , a violência do seu ataque, a inutilização completa, se bem que periódica da grande maioria da população vitimada, o coeficiente altíssimo da mortalidade em toda a parte, nos climas quentes como nos frios, nas estações hibernais como nas estivais, nas terras de sábias organizações como naquelas mal aparelhadas, vieram, trazendo o pânico e deixando o luto e a desolação, mostrar mais uma vez a contingencia das coisas humanas. Em toda a parte, a aparição virulenta foi brusca e a sua disseminação fulminante. Nós como todas as grandes cidades, pagamos o equivalente tributo ao inimigo insidioso.” 

Nota de agradecimento aos funcionários do serviço funerário pelos trabalhos durante a epidemia de gripe espanhola em SP 
O Estado de S.Paulo - 15/12/1918

Confira outras conteúdos sobre o tema:

> De médico a paciente, David Uip é referência na Saúde desde os anos 1980

> Isolamento social e atenção aos idosos: conselhos ao povo contra a gripe espanhola em 1918

> Gripe espanhola matou o presidente eleito Rodrigues Alves em 1919

> Cães foram vítimas de coronavírus nos anos de 1980 

> Guerra levou Japão a abrir mão de sediar Olimpíada de 1940​

Veja também:

> Outras notícias históricas

> Todas as edições > Censuradas  > Tópicos  > Pessoas  > Lugares  > Capas históricas

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Veja o jornal do dia que você nasceu

Busque a edição pela data de seu nascimento Veja o jornal do dia que você nasceu

# Capa com anúncio de lança-perfume em 1929

Tópicos
ver todos