ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Carolina Maria de Jesus, a escritora da favela

No lançamento, o livro 'Quarto do despejo' desbancou Sartre e Jorge Amado nos mais vendidos

03 de fevereiro de 2016 | 16h 09
Carlos Eduardo Entini

Carolina Maria de Jesus, Quarto de Despejo
Carolina de Jesus e a filha na favela do Canindé, em abril de 1961. Acervo/Estadão

Em 1960, Carolina Maria de Jesus, catadora de papel e moradora da favela do Canindé no centro de São Paulo, surpreendeu a literatura brasileira com o livro “Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada”. A autora e o livro, escrito em cadernos que achou no lixo e guardados em um saco de pano, foram descobertos por acaso. Pautado para cobrir a inauguração de um parque infantil na favela, o jornalista Audálio Dantas ouviu a reclamação de uma mulher depois de alguns homens expulsarem as crianças dos brinquedos, e que iria colocá-los em seu livro.

O Estado de S. Paulo - 9/9/1960
carolina maria de jesus, quarto de despejo


O livro da 'escritora da favela' como ficou conhecida, chamou atenção dos leitores por causa do contundente retrato da realidade da favela feito por Carolina. E também colocou no centro da discussão política e social o problema da moradia.

"Quarto do despejo" ganhou o mundo. Foi destaque na imprensa internacional, com direito a reportagem na revista Times, virou peça de teatro e foi traduzido para dezenas de línguas. Em Portugal, o livro foi censurado pela ditadura salarzista. 

O Estado de S. Paulo - 25/9/1960


No Brasil, “Quarto de Despejo” obteve tanto sucesso que entrou para a lista do mais vendidos batendo os de Jean Paul-Sartre e 'Gabriela', de Jorge Amado. No dia do lançamento em 30 de agosto de 1960, a escritora autografou mais de 600 livros, um recorde. Entre os que compareceram ao evento, estava o Ministro do Trabalho João Batista Ramos, que na ocasião prometeu uma casa para a escritora.

O Estado de S. Paulo - 18/12/1960



Na edição de 23 de setembro, o Estado comprovou o fenômeno "duas livrarias da cidade nos informaram que da primeira edição foram vendidos 10 vezes mais exemplares do que se vende comumente quando aparece um romance de grande interesse". Ainda segundo a reportagem foram vendidos 500 livros quando o comum, na época do lançamento era de 40 ou 50 exemplares.

carolina maria de jesus. quarto de despejo
A escritora em dezembro de 1961 antes de embarcar para o Uruguai para lançar o livro. Acervo/Estadão



Apesar da promessa de receber uma casa do ministro, foi com os dinheiro recebido do livro que Carolina conseguiu sair da favela. Ela comprou uma casa no bairro de Santana. Mas logo depois a vendeu para comprar um sítio em Parelheiros, zona Sul da São Paulo. Depois do “Quarto de Despejo”, Carolina escreveu “Casa de Alvenaria”, em 1961. O segundo livro não obteve sucesso e ficou encalhado nas prateleiras. 

Carolina Maria de Jesus morreu, aos 64 anos, em 1977 vítima de bronquite asmática em seu sítio.

Leia mais sobre Carolina Maria de Jesus:


Carolina de Jesus e o dia a dia da fome

Carolina de Jesus vai ter sua obra perpetuada

Estudiosos acham inéditos de Carolina de Jesus



Tag: literatura

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão |

FOTOS HISTÓRICAS

Leila Diniz e amigas em 1967

Veja essa e outras imagens que marcaram época Leila Diniz e amigas em 1967

Foto: Ywane Yamazaki/Estadão

Tópicos
ver todos