ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Castelinho da Brigadeiro por pouco não foi demolido

Vizinhos impediram a destruição do casarão construído em 1909

09 de dezembro de 2015 | 16h 39
Rose Saconi


Moradores denunciaram a demolição do casarão em 1982. Osvaldo Jurno/Estadão

Ele ainda está "de pé", mas por pouco não foi destruído. O casarão de 1909 no n.º 826 da avenida Brigadeiro Luís Antônio começou a ser demolido em 1982, logo após ser requisitado para tombamento pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat).

A estrutura do "Castelinho da Brigadeiro", como é conhecido, recebeu marretadas de cinco trabalhadores que chegaram a destruir parte das escadas, gradis de ferro e telhado. O serviço só foi interrompido com a chegada da imprensa, da polícia e de técnicos do órgão de defesa do patrimônio histórico que foram avisados pelo vizinhos. Dois dias depois o casarão sofreu nova tentativa de demolição, desta vez impedida por um vigilante de plantão.

O Estado de S. Paulo - 9/7/1982

História. O imóvel foi construído na antiga Vila Virgínia pelo médico e escritor Cláudio de Souza, um dos proprietários da Vila Economizadora. O projeto arquitetônico de Giuseppe Sachetti foi inspirado no estilo art nouveau, com blocos de pedra e cúpula ao estilo árabe. Tem 20 cômodos, pé-direito alto e janelas voltadas para o sol (veja abaixo a imagem original do projeto).

Abrigou a residência e o consultório do médico por mais de duas décadas até sua mudança para o Rio. A partir de então, o castelo passou por um processo de deterioração. Passou para as mãos de vários donos até ser vendido em 1977 para a Companhia Mofarrej, que depois da tentativa frustada de demolição, decidiu restaurá-lo em 1996.

Castelinho da Brigadeiro

Leia também:
# O castelinho da rua Apa

Tag: Urbanismo

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão |

Viu essa página?

Capas históricas: 11 de setembro

Pesquise e acesse todas as edições do jornal Capas históricas: 11 de setembro

Veja a edição completa de 12/11/2001

Tópicos
ver todos