ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Chuva de papel picado

Festa marcava o fim do ano dos escritórios de São Paulo

29 de dezembro de 2015 | 15h 48
Estadão Acervo

chuva de papel picado, ano novo, centro de são paulo
Chuva de papel picado foi tradição no último dia ano no centro da cidade. Manente/Estadão

A chuva de papel picado era a catarse dos escritórios do centro de São Paulo. Confetes feitos a partir dos dos furadores, listas telefônicas do ano que passou, papel higiênico, papelada em geral, tudo esperando para ser arremessado das janelas a partir das 12h horas do dia 31, quando acabava o último expediente do ano. Aí começava a festa que foi tradicional nos centros comerciais e de negócios da cidade desde meados da década de 1960 até o começo dos anos 2000.



Algumas vezes ocorriam exageros. Aproveitando a empolgação, alguns arremessavam sacos com água (e com outras coisas), listas telefônicas inteiras e objetos de escritório. Outros paravam os motoristas e enchiam os carros de papel.

Em 1971, a festa descambou em confusão na Praça Ramos de Azevedo “Grandes pedras de gelo lançadas dos prédios, sacos plásticos cheios de água que afundavam a capota dos automóveis, agressões e espancamentos, além do tradicional papel picado, caracterizaram o que deveria ser uma comemoração festiva de fim de ano (…) em vez disso, uma enorme confusão que só chegou ao fim com a praça tomada por 11 viaturas policiais e 50 guardas colocados em pontos estratégicos”, relatou o Estado em 1/1/1972.  

A tradição começou a minguar por razões óbvias, o lixo acumulado e pela nova consciência ecológica do consumo do papel.

Tag: ano novo

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão |

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Veja o jornal do dia que você nasceu

Busque a edição pela data de seu nascimento Veja o jornal do dia que você nasceu

# Capa com anúncio de lança-perfume em 1929

Tópicos
ver todos