ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Como era São Paulo sem avenida Paulista

Na região do Caaguaçu, ponto mais alto da cidade, havia chácaras, sítios e trilhas para boiadas

27 de setembro de 2013 | 13h 59
Rose Saconi

 
Avenida Paulista, entre 1896 e 1900. Guilherme Gaensly/Acervo Light

No local onde hoje é a avenida Paulista existia uma floresta. Chamava-se Alto de Caaguaçu. Havia naquela região muitas chácaras, sítios e trilhas para boiadas e carros de bois.

Após vários estudos e com projeto inspirado nas grandes vias europeias, um engenheiro uruguaio, Joaquim Eugênio de Lima, achou que o espigão do Caaguaçu, o ponto mais alto de São Paulo, poderia dar um bom negócio. "Áreas mais altas são também as mais saudáveis", recomendavam os sanitaristas da época.

Eugênio de Lima juntou-se, então, a dois sócios, José Borges de Figueiredo e João Augusto Garcia, e fundou a Sociedade Anônima Companhia Viação Paulista.

A empresa tratou de adquirir os terrenos e chácaras ali existentes. O objetivo era construir no local uma espécie de vila de luxo para a classe mais abastada, longe das já bem ocupadas áreas como os Campos Elíseos e Higienópolis.

Feita a aquisição dos terrenos, que iam da Consolação ao Paraíso, num total de 3 mil metros de comprimento, começaram os trabalhos de movimento da terra, pavimentação e corte de vias transversais.

Obras. Em maio de 1891, a Paulista já adquiria forma e Eugênio de Lima convidou o presidente do Estado, Américo Brasiliense, o jornalista Rangel Pestana e Júlio Mesquita - que na época era senador estadual - para visitar as obras. As autoridades foram "dar um passeio à avenida Paulista, belíssimo arrabalde que está destinado a ser, dentro em pouco, o melhor e o mais chic de todos os arrabaldes da capital", noticiou o Estado.

O Estado de S. Paulo - 16/5 e 11/10/1891

     

                                                                                                                     

Inauguração. A avenida foi entregue oficialmente ao público no dia 8 de dezembro de 1891, com o início do tráfego de bondes. "Ao meio-dia a Companhia Ferro Carril fará a inauguração de suas linhas da Bella Vista e da Bella Cintra (..) que percorrerão toda a Grande Avenida Paulista", dizia a notinha publicada na primeira página do jornal (à direita).

Segundo o livro Cidade de São Paulo: Estudos de Geografia Urbana, 1958, a via seria chamada de Avenida das Acácias, ou Prado de São Paulo. Mas Eugênio de Lima decidiu por Avenida Paulista em homenagem ao povo que tão bem o acolhera.


Mais sobre a seção "São Paulo sem...":



Museu do Ipiranga

Telefones Públicos

Rodoviária

Cidade Universitária

Túnel 9 de Julho

Minhocão
 
Anchieta
 
Catedral da Sé

Avenida Sumaré

Iluminação

Interlagos

Radial Leste
 
Edifício Martinelli
 
Cinema

Mercado Municipal


Água encanada

Congonhas

Semáforos
 
Jóquei Clube


Teatro Municipal

Saco de lixo

Vale do Anhangabaú

Asfalto

Estádios

Estação da Luz

Marginal Tietê

Shopping Centers


Bombeiros

Biblioteca

Supermercado
 
Parque do Ibirapuera
 
Lista telefônica

Calçadas
 
Jardim Zoológico

Viaduto do Chá

Aterro sanitário
 
Plano Diretor
         

Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine 

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos