ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Como era São Paulo sem lista telefônica

Para procurar números de telefones, paulistanos recorriam aos anúncios dos jornais

15 de agosto de 2013 | 15h 31
Rose Saconi

 

 Os primeiros telefones começaram a ser instalados na cidade de São Paulo em meados do século 19. Para localizar um número de algum "assignante", como era grafado na época, ou procurar telefones de médicos, advogados, ou algum estabelecimento comercial, os paulistanos recorriam aos anúncios dos jornais, ou aos almanaques.

A primeira lista telefônica da cidade tinha 22 nomes e foi publicada na Província de S. Paulo, hoje O Estado de S. Paulo, em 8 de janeiro de 1884.


A Companhia Telephonica do Estado de São Paulo usava as páginas do jornal para publicar a lista dos assinantes. A inclusão das informações dos novos proprietários de telefone saía no jornal a cada início de mês, informando os números e endereços.


Existiam também catálogos e outras publicações que continham os números dos telefones. Como o "Indicador Paulista", que saiu anunciado no Estado em 1915 (ao lado), um tipo de guia com a relação de endereços de repartições públicas, bairros e endereços da capital, endereços e telefones úteis como de hospitais, polícia, bondes, escolas e bancos.


Com a crescente expansão da rede de telefonia da cidade, constatou-se a necessidade de se editar um catálogo com o número dos assinantes, que inicialmente tinha apenas três dígitos.

Nos anos 1950 esses catálogos tornaram-se mais sofisticados e indispensáveis nos lares dos paulistanos proprietários de linhas telefônicas. Até os móveis da época, como algumas mesinhas de telefone, tinham um compartimento para manter a lista sempre à mão. As listas já tinham algumas páginas coloridas, fotografias e muitos anúncios.

O Estado de S. Paulo - 5/3/1952



OESP
- A primeira lista da cidade de São Paulo feita pela OESP Gráfica, empresa do Grupo Estado, para a Telesp foi lançada no dia 20 de dezembro de 1985. Era a lista telefônica oficial de assinantes e classificada de 1986, de São Paulo. As pessoas receberam em casa o novo catálogo telefônico que tinha dois volumes, um da letra A até a letra K, e o outro do L ao Z, num total de 2.724 páginas. "Cada volume de 23 por 27 centímetros terá cinco centímetros de espessura exigindo seis mil toneladas de papel. O resultado final será um dos maiores catálogos telefônicos já impressos no mundo", disse na ocasião o diretor da empresa.



Distribuição da lista telefônica de assinantes 85/86. Acervo/Estadão



Leia mais sobre a seção "São Paulo sem..":


Museu do Ipiranga

Telefones Públicos

Rodoviária

Cidade Universitária

Túnel 9 de Julho

Minhocão
 
Anchieta
 
Catedral da Sé

Avenida Sumaré

Iluminação

Interlagos

Radial Leste
 
Edifício Martinelli
 
Cinema

Mercado Municipal


Água encanada

Congonhas

Semáforos
 
Jóquei Clube


Teatro Municipal

Saco de lixo

Vale do Anhangabaú

Asfalto

Estádios

Estação da Luz

Marginal Tietê

Shopping Centers


Bombeiros

Biblioteca

Supermercado
 
Parque do Ibirapuera
 
Lista telefônica
       


Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine 
Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos