ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Como era São Paulo sem o Mercado da Lapa

Casas e terrenos que existiam no local foram desapropriados pela prefeitura para a realização da obra

11 de outubro de 2013 | 11h 01

 
Mercado na década de 1970. Foto: Oswaldo Jurno/Estadão


Até o final do século 19 o bairro da a Lapa não era ainda considerado parte da cidade de São Paulo. Era apenas uma região afastada, com sítios e chácaras, e povoada por imigrantes europeus que vieram ao Brasil para construir a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí. Somente em 1925 é que a Lapa passou a constar oficialmente nos mapas da cidade, ganhando o status de zona urbana.

São Paulo foi crescendo e a expansão comercial do bairro também. O Mercado da Lapa foi construído na década de 1950. Segundo o Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal de Cultura, foi um dos primeiros mercados municipais de bairro com edifício projetado especialmente para a função. Casas e terrenos que existiam no local foram desapropriados para a realização da obra, que foi considerada de utilidade pública pela prefeitura.

Desapropriações. "Lei determina construção do mercado da Lapa", noticiou o Estado na edição de 2 de julho de 1950 (à direita). O prefeito da época, Lineu Prestes, havia promulgado na véspera a lei 3.908 criando o Mercado Distrital da Lapa. "Para a execução da obra, o executivo municipal poderá adquirir, por via amigável, permutar ou expropriar as seguintes áreas declaradas de utilidade pública pela referida lei", dizia a reportagem. Uma das maiores propriedades que existia no local pertencia à Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC).

As obras começaram em dezembro de 1951. "O novo mercado da Lapa custará à Prefeitura perto de 10 milhões de cruzeiros, sendo gastos na construção 8 mil sacos de cimento e 160 toneladas de ferro. As maiores dificuldades encontradas pela Municipalidade na execução dessa obra de grande interesse público partiram dos proprietários dos terrenos e casas situados nas imediações e que tiveram de ser desapropriados", escreveu o Estado em fevereiro de 1953 (abaixo).



O Estado de S. Paulo - 7/2/1953


Inauguração. O prédio foi inaugurado em 24 de agosto de 1954, uma data histórica para a política brasileira. Nesse dia, o presidente Getúlio Vargas se matou no Palácio do Catete, no Rio, capital da República na época. No final da década de 1970, foi considerado o maior mercado varejista da América do Sul.

Poucos dias depois de completar 55 anos de existência, o mercado foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico (Conpresp), no dia 16 de Setembro de 2009.


Mais sobre a seção "São Paulo sem...":



Museu do Ipiranga

Telefones Públicos

Rodoviária

Cidade Universitária

Túnel 9 de Julho

Minhocão
 
Anchieta
 
Catedral da Sé

Avenida Sumaré

Iluminação

Interlagos

Radial Leste
 
Edifício Martinelli
 
Cinema

Mercado Municipal


Água encanada

Congonhas

Semáforos
 
Jóquei Clube


Teatro Municipal

Saco de lixo

Vale do Anhangabaú

Asfalto

Estádios

Estação da Luz

Marginal Tietê

Shopping Centers


Bombeiros

Biblioteca

Supermercado
 
Parque do Ibirapuera
 
Lista telefônica

Calçadas
 
Jardim Zoológico

Viaduto do Chá

Aterro sanitário
 
Plano Diretor

Avenida Paulista
       

Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine 

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos