ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Como era São Paulo sem rodoviária

Empresas de ônibus tinham suas agências e 'pontos' no Centro da cidade

06 de julho de 2013 | 12h 00
Rose Saconi


Agência Cometa, na Avenida Ipiranga, em 1959. Foto: Acervo/Estadão


São Paulo não tinha rodoviária até os anos 1960. Os ônibus não tinham um local certo para embarque e desembarque de passageiros. Para ir ao Rio de Janeiro se embarcava próximo à esquina da Avenida Ipiranga com a Avenida São João. Os ônibus com destino ao Vale do Paraíba saíam da Avenida Rio Branco. Para o litoral, o embarque era na Praça Clóvis Bevilacqua, e para as cidades do nordeste no Largo da Concórdia. Era uma confusão.

Anúncios 20/4/1952 e 10/6/1953

    


No início da década de 1950 chegou-se a cogitar a construção de uma estação rodoviária na cidade em pleno Jardim da Luz. O prefeito na época era Jânio Quadros que, atendendo às reivindicações feitas por uma Campanha da Associação de Proteção à Natureza, descartou a hipótese da "mutilação do tradicional logradouro público do Jardim da Luz. A rodoviária será instalada em outro local", como publicou o Estado em setembro de 1953.

O Estado de S. Paulo, 8/9/1953



A primeira Estação Rodoviária de São Paulo foi construída na gestão de Adhemar de Barros, em frente à Praça Júlio Prestes, na Luz. Desde a sua inauguração, porém, em 25 de janeiro de 1961, surgiram os primeiros protestos contra a rodoviária que foi criticada por trazer criminalidade, poluição e trânsito para a região.
"A estação rodoviária foi mal estudada quanto à sua localização. A praça Julio Prestes não apenas é pequena, como principalmente está rodeada de ruas estreitas e imprestáveis para oferecer ao tráfego um índice de vazão pelo menos razoável", escreveu o Estado no dia da inauguração.

O Estado de S. Paulo, 25/1/1961





A Estação Rodoviária de São Paulo foi um dos primeiros locais públicos a receberem aparelhos de televisão - no começo apenas com uma programação restrita em circuito fechado, com informações e mensagens publicitárias -, depois transmitia a programação normal da TV aberta, atraindo muitos paulistanos que não estavam interessados em viagens, mas queriam apenas assistir TV, eletrodoméstico ainda raro nas residências nessa época.

O Estado de S. Paulo - 29/4/1965

   
Na Estação Rodoviára de São Paulo, a TV-Rodoviária 


Em 1977, na administração Olavo Setúbal, começa a descentralização de terminais com a inauguração do Terminal Jabaquara. A partir do dia 2 de maio, todos os ônibus que serviam a Baixada Santista foram transferidos para lá. Algumas empresas tentaram permanecer na rodoviária da Praça Júlio Prestes, uma delas até conseguiu uma liminar autorizando sua permanência no local, mas logo teve que aceitar a mudança.

O governador Paulo Maluf inaugurou a Estação Rodoviária do Tietê em 9 de maio de 1982. Cinco anos depois, em 1987, foi criado o Terminal Rodoviário Bresser para "desafogar" o Tietê. Ficou em operação por 14 anos, até ser desativado em 2001.
   
O Terminal Barra Funda, ainda em operação, foi inaugurado em 1998 também com o mesmo propósito de aliviar a carga na rodoviária do Tietê.


Veja também:

>> Como era São Paulo sem a Cidade Universitária

>> Como era São Paulo sem o Túnel 9 de Julho

>> Como era São Paulo sem o edifício Martinelli
>> Como era São Paulo sem o Minhocão
>> Como era São Paulo sem o Jóquei Clube
>> Como era São Paulo sem o Teatro Municipal
>> Como era São Paulo sem sacos de lixo

>> Como era São Paulo em o Vale do Anhangabaú

>> Como era São Paulo sem asfalto
>> Como era São Paulo sem cinema
>> Como era São Paulo sem estádios de futebol
>> Como era São Paulo sem a Estação da Luz
>> Como era São Paulo sem a Marginal do Tietê
>> Como era São Paulo sem shopping Center
>> Como era São Paulo sem Corpo de Bombeiros
>> Como era São Paulo sem o Mercado Municipal
>> Como era São Paulo sem água encanada
>> Como era São Paulo sem a via Anchieta
>> Como era São Paulo sem a Catedral da Sé
>> Como era São Paulo sem a Avenida Sumaré
>> Como era São Paulo sem iluminação pública
>> Como era São Paulo sem o autódromo de Interlagos
>> Como era São Paulo sem o viaduto do Chá
>> Como era São Paulo sem o aeroporto de Congonhas

>> Como era São Paulo sem semáforos

Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine

Viu essa página?

John Kennedy assassinado

Há 55 anos, presidente dos EUA era baleado no Texas John Kennedy assassinado

Veja a edição completa de 23/11/1963

Tópicos
ver todos