Busca
Busca por data

Como era São Paulo sem supermercado

Empórios, mercearias e armazéns de secos e molhados abasteciam as casas dos paulistanos

02 de agosto de 2013 | 13h 52
Rose Saconi

 
Sem conhecer supermercado, paulistano comprava produtos a granel. Foto: Acervo/Estadão

Até meados da década de 1950, os paulistanos não tinham supermercado na cidade. As compras de alimentos como feijão, farinha e milho eram feitas, a granel, em quitandas, feiras, empórios e uma infinidade de armazéns de secos e molhados que existiam espalhados pela cidade. Os fregueses entravam nessas chamadas 'vendinhas' e escolhiam o produto que ficava exposto em sacos abertos. Podiam pegar na mão, examinar a qualidade, o cheiro, a textura. O pedido era feito ao balconista, que pesava e empacotava em sacos de papel os alimentos para o cliente. Quem não tinha dinheiro na hora, pedia para anotar na caderneta.

O Estado de S. Paulo - 19/5/1940

Pelos anúncios das páginas de classificados do Estado é possível conhecer um pouco como era o serviço de abastecimento em São Paulo antes dos supermercados. O Empório Central, no largo do Rosário, por exemplo, vendia farinha de centeio, para pão, féculas de batata e fubá de milho branco.
A Casa F. Monteiro & Cia Ltda, um dos maiores comerciantes de secos e molhados da cidade, publicava no jornal aos domingos a lista de preços de suas mercadorias. "Nosso lema é vender barato para vender mais", disse ao Estado, em 1946, Fernando Monteiro, um dos sócios do empório.

O Estado de S. Paulo - 27/11/1883 e 19/5/1946

  

No Brasil. O primeiro supermercado da cidade, e do Brasil, foi inaugurado em agosto de 1953, com o nome 'Sirva-se'. Ficava na esquina da rua da Consolação com a alameda Santos. Os proprietários tentavam pela primeira vez implantar aqui o sistema norte-americano de vendas no varejo, o auto-serviço, como era chamado, que possibilitava uma escolha mais livre dos produtos por parte do consumidor, dispensando a presença do vendedor.

O Estado de S. Paulo - 4/9/1953

No início, a novidade do sistema 'pegue e pague' do supermercado levou alguns fregueses a perguntarem sobre o preço do aluguel dos carrinhos, ou se havia a necessidade de comprar ingresso para entrar no estabelecimento. Ir às compras passou a ser um evento, um passeio diferente. Em poucos anos os supermercados conquistaram as famílias brasileiras e se multiplicaram pela cidade e as vendinhas sumiram aos poucos.

Leia mais sobre a seção "São Paulo sem..":



Museu do Ipiranga

Telefones Públicos

Rodoviária

Cidade Universitária

Túnel 9 de Julho

Minhocão
 
Anchieta
 
Catedral da Sé

Avenida Sumaré

Iluminação

Interlagos

Radial Leste
 
Edifício Martinelli
 
Cinema

Mercado Municipal


Água encanada

Congonhas

Semáforos
 
Jóquei Clube


Teatro Municipal

Saco de lixo

Vale do Anhangabaú

Asfalto

Estádios

Estação da Luz

Marginal Tietê

Shopping Centers


Bombeiros

Biblioteca

Supermercado



Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine 
Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos