ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Conheça a história da primeira vacina produzida pelo Butantã em 1901

Instituto foi criado para combater a epidemia de peste bubônica na virada dos séculos 19 e 20

17 de janeiro de 2021 | 15h 27
Liz Batista - Acervo Estadão

Prédio principal do Instituto Butantan, década de 1970.

Prédio principal do Instituto Butantan, década de 1970.

Hoje uma das instituições centrais no combate à epidemia de Covid-19 no Brasil - à frente, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, da produção da vacina Coronavac e desenvolvendo a própria vacina Butanvac - o Instituto  Butantan foi criado em 1901 com a missão de combater outra doença epidêmica que à época manifestava-se por aqui acumulando mortos e preocupando as autoridades sanitárias, a peste bubônica. Primeiro identificada como um surto na cidade de Santos em outubro de 1899, o mal se espalhou para outras cidades, tornando-se uma das mais graves crise de saúde pública enfrentadas pelo Estado de São Paulo e pelo Governo Federal, quando a peste também atingiu com força a capital, Rio de Janeiro.

A primeira vacina produzida pelo instituto foi justamente para combater essa doença. A “vaccina anti-pestosa” foi um imunizante que se mostrou eficiente no combate à peste e que, juntamente, com outras fórmulas, como o soro antipestoso, os soros antiofídicos e o soro antidifitérico conferiram renome à instituição nos anos seguintes à sua criação. Desde então, o centro de pesquisa biomédico - que mantém a grafia da época em seu nome até hoje - tornou-se referência nacional e internacional no desenvolvimento e produção de soros e vacinas.

Através das páginas do Acervo Estadão é possível conhecer a história da instituição e dos avanços científicos por ela alcançados.

O médico Vital Brazil, responsável pela criação do Instituto "Serumtherápico", posteriormente chamado de Instituto Butantan

O médico Vital Brazil, responsável pela criação do Instituto "Serumtherápico", posteriormente chamado de Instituto Butantan

A peste em Santos. No verão de 1899, Portugal soou o alarme após detectar um surto de peste bubônica na cidade do Porto, colocando em alerta os principais países na rota comercial de seus navios, o Brasil estava entre essas nações. Apesar dos esforços das autoridades para isolar as embarcações vindas de Portugal, não tardou-se para que em outubro daquele ano, um conjunto de especialistas destacado pelo governo da jovem república brasileira atestasse que a peste já grassava pela cidade portuária paulista.

Entre os cientistas apontados para a tarefa de identificar e conter a disseminação da doença estão nomes importantes da história da Saúde Pública do País, como os sanitaristas Oswaldo Cruz, Emílio Ribas e Vital Brazil. Este último, vindo das frentes de trabalho do Instituto Bacteriológico de São Paulo (atual Instituto Adolfo Lutz), foi o responsável pelo diagnóstico bacteriológico da moléstia em Santos. Foi também Brazil o cientista encarregado de liderar o “Instituto Serumtherapico de São Paulo”, posteriormente chamado de Instituto Butantan.

>Estadão - 09 e 10/11/1899

Estadão - 09 e 10/11/1899

Estadão - 09 e 10/11/1899

Inicialmente criado como um braço do Instituto Bacteriológico, a instituição adquiriu autonomia dada a importância de seus trabalhos, como estabeleceu seu decreto de criação, Decreto N° 878A, de 23 de fevereiro de 1901. Em 9 e 10 novembro de 1899, o Estadão já trazia em sua capa notícias sobre as ações para criação do instituto.

No dia 9, o jornal publicou que o governo de São Paulo havia comprado o terreno conhecido como Chácara Butantan, “afim de nella ser instalado um instituto serumtherapico”. A edição do dia seguinte explicava que “as installações de apparelhos, reparação e adaptação do edificio, construcção de estrebarias, etc, em breve serão iniciadas, devendo, daqui a pouco tempo, ser terminadas. O dr. Vital Brasil já começou a preparação dos cavallos, que escolheu do regimento de cavallaria, afim de os inocular com culturas mortas, para a preparação do serum anti-pestoso.”

> Estadão - 06/11/1901 

> Estadão - 06/11/1901 

> Estadão - 06/11/1901 

A primeira vacina. Em 1901 o Instituto Butantan passou a produzir sua primeira vacina, a vacina antipestosa,  desenvolvida através das técnicas popularizadas pelo médico italiano Camilo Terni do Instituto de Messina. Tanto a vacina quanto o soro antipestoso, ambos produzidos no instituto, foram usados com sucesso, ao lado das medidas de isolamento de doentes e controle da população de ratos, para debelar a epidemia de peste bubônica. Em paralelo ao combate à peste, sob a condução de Vital Brazil, o Butantan começava a se tornar uma referência no desenvolvimento de soros antiofídicos que salvavam vidas contra as “mordeduras de cobras”, essa frente trabalho e pesquisa trouxe rápido renome à instituição.

Pesquisador do Instituto Butantan segura uma cobra Jararaca, São Paulo, SP. 1939. 

Pesquisador do Instituto Butantan segura uma cobra Jararaca, São Paulo, SP. 1939. 

Na edição de 6 de novembro de 1901 do Estadão, uma nota descreve uma visita feita à instituição por autoridades políticas e médicas para tomar conhecimento sobre seu funcionamento. A comitiva foi recebida pelo diretor do Butantan, dr. Vital Brazil, que demonstrou aos visitantes como acontecia a produção do soro e da vacina antipestosa. "Foi em seguida sangrado um cavallo immunisado contra a peste, do qual foram retirados seis litros de sangue, que fornecerá em poucos dias dois litros de serum anti-pestoso. Passou depois o dr. director a inocular doze muares que estão sendo immunisados contra a peste, recebendo cada um cinco centímetros cubicos de vaccina em injecção intra-venosa", descrevia a notícia.

> Estadão - 12/05/1908

> Estadão - 12/5/1908

> Estadão - 12/5/1908

Nos anos seguintes, o Instituto Butantan passou a publicar no jornal balanços de sua produção semanal. Um avanço científico ao alcance de toda a população do Estado e de outras regiões quando solicitado. No descritivo, o Butantan trazia além das fórmulas produzidas pelo seu laboratório, o número de animais inoculados, o número de pessoas tratadas e uma lista nominal de agradecimento às pessoas que haviam colaborado enviando cobras para a instituição.

Já nos primeiros anos de 1900 as vacinas e soros fabricados ganharam o Brasil e o mundo, sendo distribuídos para os hospitais da capital e do interior de São Paulo com regularidade. Sob encomenda, o instituto atendia pedidos do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Sul, Estados Unidos e Londres, para citar algumas das requisições. Em 1914 o Instituto inaugurou seu prédio central. As novas instalações foram destaque na edição de 5 de abril do Estadão.

> Estadão - 05/4/1914

> Estadão - 05/4/1914

> Estadão - 05/4/1914

> Estadão - 05/4/1914

> Estadão - 05/4/1914

Em 1920, durante uma uma crise de escassez de verbas, após Vital Brasil deixar a chefia da instituição, o jornalista Júlio de Mesquita Filho, publicou um artigo em defesa de maiores investimentos para o instituto para que seu potencial de enfrentamento de crises sanitárias pudesse ser ampliado, o que descreveu como a “criação de um instituto onde se estudassem as molestias que nos debilitam as populações, uma especie de atalaia de onde se vigiassem as endemias e de onde partissem as legiões de combate aos males que nos depauperam e deprimem. Em resultado: a montagem de um apparelhamento para o estudo de todas as questões scientificas relativas ás molestias infeccciosas, preparo de soros e vaccinas; estudo de plantas medicinaes e toxinas; estudo de veterinaria, dependendo do instituto que seria uma vasta amapliação do actual Butantan (...) Assim estariamos apparelhados para a defesa sanitaria do paiz em casos de urgencia."

> Estadão - 16/5/1920

> Estadão - 16/5/1920

> Estadão - 16/5/1920

Leia também: 

Em diferentes épocas, vacinas mudaram o curso da História

Em diferentes épocas, vacinas mudaram o curso da História

# 10 vacinas que mudaram a História

# Lugares de SP: Instituto Butantan

# Politização e desinformação insuflaram Revolta da Vacina em 1904

# 66 dias de terror e morte na luta de SP contra a gripe espanhola

# Cães foram vítimas de coronavírus nos anos de 1980

+ ACERVO

> Veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas

> Todas as edições desde 1875

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

A estreia de King Kong

Veja essa e outras capas históricas A estreia de King Kong

# Capa do jornal de 28/5/1933

Tópicos
ver todos