ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

De 007 a Highlander, Sean Connery parecia eterno

Ator tornou-se um dos maiores ícones do cinema ao dar vida ao agente secreto invencível e irresistível

31 de outubro de 2020 | 15h 25
Liz Batista - Acervo Estadão

Sean Connery interpreta James Bond.

Estadão - 03/01/1965 

Sean Connery interpreta James Bond.

Estadão - 03/01/1965 

Fosse na pele de um agente secreto britânico, à serviço de sua majestade com licença para matar, de um monge medieval enredado em uma série de mortes misteriosas (O Nome da Rosa [1986]) , de um policial irlandês aposentado contra a máfia na corrupta Chicago comandada por Al Capone nos anos de 1930 ( Os Intocáveis [1987]). Ou vivendo o mentor de um guerreiro escocês do século 16 com poderes sobrenaturais que o tornavam quase imortal (Highlander II  [1991]), um comandante de uma submarino russo que invade águas americanas durante a Guerra Fria (A Caçada ao Outubro Vermelho [1990]) ou o pai de um dos maiores heróis já criados por Steven Spielberg (Indiana Jones e a Última Cruzada [1989]), Sir. Sean Connery conseguiu imprimir uma marca única em seus personagens. Seu magnetismo tornava impossível dissociar intérprete e personagem e a mágica operada por seu carisma e talento gravavam sua atuação e imagem como uma tatuagem no imaginário dos fãs. Connery detinha a qualidade das lendas do cinema, era protagonista mesmo quando coadjuvante.

O espião criado por Ian Fleming, James Bond, foi o papel que lançou Connery ao estrelato, na produção 007 Contra o Satânico Dr. No (1962), o primeiro filme de uma das franquias de maior sucesso do cinema até hoje.

>> Estadão 9/12/1992

Estadão - 09/12/1992

Estadão - 09/12/1992

Irresistível para as mulheres e implacável contra seus inimigos, Bond personificou fantasias femininas e masculinas. Num filme de ação que conseguiu reunir elementos tão diversos quanto característicos de seu tempo, como a crença nos avanço tecnológico - o que seria de Bond sem as invenções de Q? - a Revolução Sexual e a Guerra Fria. Para coroar a produção, a interpretação e figura de Connery conferiram ao personagem as poderosas pulsões de sexo e morte descritas por Freud. A História ainda teve seu papel. O filme estreou em setembro de 1962 , no mês seguinte o mundo viveu a ameaça mais crítica de uma possível guerra nuclear, a crise dos mísseis em Cuba. Como se realidade acrescentasse sua dose extra de adrenalina à fantasia, Bond se tornou tanto o herói capaz de impedir um conflito atômico, quanto o homem nos braços de quem muitos gostariam de encontrar um fatídico desfecho diferente.

Bond alçou Connery à condição de símbolo sexual (o inverso também é verdadeiro), como mostrou um artigo do Estadão de 28 maio de 1965. O autor, Thomaz Souto Corrêa, explora no texto as qualidades que faziam de Sean Connery e Sofia Loren o ideal masculino e feminino de sensualidade na época. “Sean Connery é o homem que agrada ao público em geral. Bonitão, grandalhão, representa com autenticidade absoluta o que se espera de um homem nessas condições: agradar às mulheres. Para isso, ele é valente, durão, frio, cruel e charmoso. Ele é James Bond.”, escreveu o jornalista.

>> Estadão - 30/9/2012

Estadão - 30/9/2012

Estadão - 30/9/2012

>> Estadão 1/9/1981

Texto de Rubens Ewald Filho sobre Sean Connery e 007

Texto de Rubens Ewald Filho sobre Sean Connery e 007

Leia também:

#Sean Connery não aprova o novo 007

"Creio que ele é um pouco frágil", Connery sobre Roger Moore

>> Estadão - 25/5/1989

Estadão - 25/5/1989

Estadão - 25/5/1989

>> Estadão - 11/3/1990

Estadão - 11/03/1990

Estadão - 11/03/1990

>> Estadão 13/4/1988

Leitora reclama de um spoiller na matéria sobre o filme Os Intocáveis (1987).
A produçãoque rendeu o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante para Sean Connery em 1988.

Leitora reclama de um spoiller na matéria sobre o filme Os Intocáveis (1987).
A produçãoque rendeu o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante para Sean Connery em 1988.

>> Estadão 28/5/1965

Estadão - 28/5/1965

Estadão - 28/5/1965

>> Estadão 28/5/1987

Estadão - 28/5/1987 

Estadão - 28/5/1987 

>> Estadão 9/6/1990

Estadão - 09/6/1990

Estadão - 09/6/1990

>> Estadão 15/6/1989

Estadão - 15/6/1989

Estadão - 15/6/1989

>> Estadão 12/1/2002

Estadão - 12/01/2002

Estadão - 12/01/2002

>> Estadão 11/2/1966

Sean Connery na capa do Suplemento Feminino em 1966

Sean Connery na capa do Suplemento Feminino em 1966

>> Perfil: Sean Connery [1930-2020]

>> Últimas notícias sobre Sean Connery

+ ACERVO

> Selecione a data e veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas

> Todas as edições desde 1875

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Anúncio de lança-perfume

Veja essa e outras capas históricas Anúncio de lança-perfume

# Capa do jornal de 13/1/1929

Tópicos
ver todos