ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

General Newton Cruz pegou repórter pelo pescoço em 1983

Militar partiu para cima do jornalista Honório Dantas durante uma coletiva de imprensa

25 de agosto de 2020 | 8h 35
Liz Batista - Acervo Estadão

Os generais Newton Cruz  e Ivan de Souza Mendes, Brasília, DF, 20/12/1983 

Os generais Newton Cruz  e Ivan de Souza Mendes, Brasília, DF, 20/12/1983 

Ao responder que tinha "vontade de encher sua boca de porrada” a um repórter que lhe perguntou sobre depósitos feitos por Fabrício Queiroz  na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro, Jair Bolsonaro trouxe à lembrança episódios protagonizados pelo general Newton Cruz, figura admirada pelo atual presidente e uma de suas testemunhas de defesa no processo que respondeu no STM em 1988. A truculência do militar era notória, mas um caso em particular é emblemático. Durante os anos finais da ditadura militar no País, numa coletiva de imprensa em 1983, o general mandou um jornalista calar a boca, o pegou pelo pescoço e o arrastou pelo braço.

> Estadão 18/12/1983

Estadão -18/12/1983

Estadão -18/12/1983

Na época, o general  Newton Cruz, então comandante militar do Planalto, era o executor das medidas de emergência decretadas pelo presidente, o general João Figueiredo, em outubro daquele ano, e descontrolou-se durante uma coletiva organizada para prestar contas sobre os dois meses de vigência das medidas no Distrito Federal. Newton Cruz chamou o repórter Honório Dantas de “moleque”, disse para ele calar a boca, exigiu que ele se desculpasse por suas colocações e partiu para agressão física, como descreveu o Estadão de 18 de dezembro de 1983.

O general empurrou o radialista, ao final de uma entrevista, e este, ironizando, disse sentir-se honrado. Foi detalhe suficiente para Newton Cruz, demonstrando ter ficado inteiramente fora de si, dar um pulo de mais de um metro e agarrar o repórter pelo pescoço, a despeito das tentativas de contê-lo por parte de vários oficiais”, contava a matéria.

Sob pressão, diante da repercussão negativa da invasão, por ele autorizada, à seccional da OAB do DF em 24 de outubro de 1983 - ação que acabou não provando violação da ordem ou das condições impostas pelas medidas de emergência e  que que desencadeou uma forte reação da sociedade civil -  o general Newton Cruz “demonstrou irritação ao longo de toda a conversa com os jornalistas”, relatou o Estadão. O jornal  lembrou a “notória aversão a jornalistas” do ex-chefe da Agência Central do SNI, ao enumerar outros  ataques contra a imprensa.

> Estadão - 20/12/1983

Estadão - 20/12/1983

Estadão - 20/12/1983

Desde a decretação das medidas de emergência, após a acalorada votação de decretos que dispunham sobre o regime salarial das estatais em outubro de 1983, a imprensa, parlamentares e diversos setores da sociedade questionavam a administração Figueiredo sobre a necessidade da aplicação das medidas de emergência, que autorizavam busca e apreensão em domicílios, a intervenção em entidades representativas de classes e suspendiam a liberdade de reunião e associação. A ação do Executivo era apontada como um retrocesso do governo que afirmava compromisso com a abertura política do País.

Veja também:

> Outras notícias históricas

> Todas as edições > Censuradas  > Tópicos  > Pessoas  > Lugares  > Capas históricas

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Proclamação da República

Veja essa e outras capas históricas Proclamação da República

# Capa do jornal de 16/11/1889

Tópicos
ver todos