ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Há 18 anos, uma revolução na economia brasileira

Termos como ágio e dragão da inflação são referências históricas para a geração pós-Plano Real

29 de junho de 2012 | 16h 42
Rose Saconi e Carlos Eduardo Entini

Quem era criança na época do Plano Real não tem ideia de como era conviver com preços que não paravam de subir. Para essa geração, termos como congelamento de preços, desabastecimento, estocagem de alimentos, gatilho salarial, overnight e dragão da inflação são palavras pertencentes a um passado muito distante.

1986


1987



Cultura inflacionária. Entre 1986 e 1993, a população conheceu sete planos econômicos que tinham o mesmo objetivo, derrotar uma velha inimiga: a inflação. As tentativas fracassadas acabaram criando nos brasileiros uma cultura inflacionária. Com medo de perder dinheiro e com a inflação corroendo salários, consumidor corria para comprar antes de novos aumentos.

1986



Reajustes alteravam os hábitos. Os longos anos de convívio com a inflação, sobretudo entre 1980 e 1994, criaram entre os brasileiros hábitos que, para os mais novos, podem parecer, no mínimo, curiosos. Era comum encontrar longas filas nos postos de gasolina às vésperas de cada aumento de preços de combustíveis, geralmente anunciados nas noites de sexta-feira.

1985



Estoques. Muitas famílias passaram a usar freezers para estoque de carne e outros produtos perecíveis. Alguns produtos sumiam das prateleiras dos supermercados e eram comprados com ágio (preço mais alto) no mercado paralelo.

1991 - Supermercado, em tempos de inflação

Foto: Chico Ferreira/AE


Ágio. A carne passou a ser alvo de especulação. Muitos açougues mantinham as portas fechadas e acertavam as vendas por telefone. Carros novos eram vendidos com ágio.


O Estado de S. Paulo, 25/2/1990


Os preços nos tempos de inflação. A corrida inflacionária levou o Estadão a publicar a partir de 1993 a seção "Suas Compras", na qual informava semanalmente, aos sábados, a cotação de diversos produtos em vários supermercados e feiras livres da Capital. Algumas variações quinzenais chegavam a mais de 84%.

Preços em 5/6/1993




Preços em 19/6/1993



A máquina de remarcar preços tornou-se um dos símbolos do período de inflação fora de controle

Foto: Agliberto Lima/AE

URV. A peça mais sofisticada do Real, foi a criação da Unidade Real de Valor (URV). Ela foi um indexador diário, baseado em três índices de preços, e que também tinha uma paridade fixa, de 1 para 1, em relação ao dólar. A URV conviveria com o hiperinflacionado cruzeiro real de março a junho de 1994 e, em 1.º de julho, o substituiria, rebatizada de real.

Foto: Epitácio Pessoa/AE

Dragão derrotado
. Sem o fantasma da hiperinflação, o brasileiro pode conviver com a estabilidade de preços.


1/7/1994 - Chega o Real



Finalmente em 1994, a luz no fim do túnel. Em março, foram fincadas as bases do Plano Real, entre as quais a Unidade Real de Valor (URV) baseada no dólar, com a conversão do cruzeiro novo em real pelo valor da URV de 1.º de julho.

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos