ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Honra atingida: é a hora do duelo

Jornal registrou vários duelos em suas páginas; no Uruguai, a prática só foi proibida em 1992

20 de novembro de 2015 | 23h 41
Carlos Eduardo Entini

duelo
                                                                                                                                                                                          Acervo/Estadão

Ofensas feitas, insultos proferidos: honra atingida, moral desrespeitada. É hora do duelo. A forma civilizada de cometer um ato bárbaro foi comum em países europeus até meados do século 20. Na Argentina e Uruguai, a prática era prevista em lei. Nesses países havia um Código de Honra para duelos. Ele só seria justificado quando houvesse ofensa à honra de alguém.

No código, os padrinhos deveriam tentar solucionar antes a desavença. Se não conseguissem, o caso ia para um Tribunal de Honra que tinha a função de legalizar o combate. Se fosse aprovada, não haveria mais volta. Em caso de desistência de um dos duelistas, ele seria processado. Outra regra era que as armas não pertencesse  aos duelistas. Elas deveriam ser levadas ao local da luta pelas testemunhas em caixas lacradas. No Uruguai, o duelo só foi proíbido em 1992.

No Brasil, a prática era proibida e teve um capítulo específico no Código Penal de 1890. Mas isso não impedia a realização de duelos, mesmo que os participantes respondessem processo.

O Estadão Acervo separou alguns casos entre as centenas publicadas no jornal; veja abaixo:

duelo Duelo entre jornalistas eram muito comuns. Depois de trocarem acusações e insultos nas páginas de jornais iam resolver a questão pessoalmente. O duelo entre os jornalistas do Rio de Janeiro foi publicado em 5 de dezembro de 1888. A arma usada foi o florete. Hesslocker foi derrotado, foi ferido levemente no braço. Clique na imagem e leia a notícia completa.
duelo Mais um duelo entre jornalistas. Esse, publicado em 30 de setembro de 1890, resolveu o problema, e ainda rendeu um artigo.
duelo Capítulo do Código Penal Brasileiro de 1890. Todos os envolvidos em duelos tinham alguma punição, incluindo os padrinhos. Em caso de morte, a pena era de um a dois anos de prisão. Clique na imagem para ler o capítulo completo.
duelo No duelo, publicado em 1 de maio de 1890, um dos envolvidos ficou ferido após tentar fugir.
duelo A igreja condenou oficialmente o duelo em 1891.
duelo Em 1897, o duelo entre o príncipe francês e o conde de Turim teve grande repercussão na imprensa. Além de ficaram feridos, os duelistas foram excomungados. Leia mais sobre o caso aqui.
duelo Talvez o sabre do duelo teria ferido menos o embaixador brasileiro do que a bengala do jornalista. Notícia publicada em 4 de setembro de 1898.
duelo Mais um caso de jornalistas que foram resolver as diferenças na ponta do sabre, dessa vem em São Paulo.
duelo Um caso inusitado de duelo com final feliz. Com os ânimos apaziguados, ex-duelantes foram refrescar a cabeça tomando um chopp. O caso aconteceu no Rio de Janeiro em julho de 1909
duelo No mesmo ano, na Itália, o duelo entre mafiosos saiu de controle. Os padrinhos acabaram saindo feridos.
duelo Ainda no mesmo ano, o médico gaúcho exigiu e foi desafiado. Mas só aceitaria o duelo se o desafiante apresentasse um diploma.
duelo No Uruguai, os duelos serviam para acertar as diferenças políticas. A notícia de 1970 menciona a participação do ministro Julio Maria Sanguinette que nos anos 1990 seria presidente do país.

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão |

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Proclamação da República

Veja essa e outras capas históricas Proclamação da República

# Capa do jornal de 16/11/1889

Tópicos
ver todos