ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Notícias sobre Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira foram censuradas em 1974

Ditadura militar proibiu jornal de publicar notícias sobre o desaparecimento de preso político

29 de julho de 2019 | 23h 17
Edmundo Leite - Acervo Estadão

Notícia censurada de 29/6/1974 sobre o desaparecido político Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira

Desaparecido desde a sua prisão no Rio de Janeiro em 23 de fevereiro de 1974, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira também desapareceu das páginas do jornal que noticiariam o caso. O desaparecimento do preso político foi um dos assuntos censurados pela ditadura militar naquele ano.

Três meses após a prisão, a notícia "OAB denunciará a Geisel violência", foi proibida de ser publicada na edição de 29 de maio de 1974 e foi substituída por um trecho da peça "Farsa de Inês Pereira", obra do português Gil Vicente publicada em 1523. A publicação de obras clássicas da Língua Portuguesa no lugar das notícias proibidas era um artifício usado pelo jornal na época para denunciar a censura.

Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira voltaria a desaparecer novamente das páginas do jornal em 29 de junho daquele ano, quando o censor do governo encarregado de proibir conteúdos considerados subversivos vetou a publicação da notícia "MDB quer saber motivo de prisões", na qual o nome de Fernando aparecia junto ao do amigo Eduardo Collier Filho e outros presos políticos desaparecidos. No lugar da notícia vetada, o jornal publicou "Rosa, Rosa de Amor... Horas de Amor", poema de 1902 de Vicente de Carvalho.

Textos literários publicados no lugar de notícias censuradas em 29/5 e 29/6 de 1974.

No começo do ano seguinte, em janeiro de 1975, quando o regime iniciava uma tímida abertura e a censura ao jornal foi encerrada, o nome de  Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira apareceria em anúncios assinados pela mãe do amigo desaparecido, Risoleta Meira Collier,  denunciando o desaparecimento dos dois: "Indagações formuladas junto a Hospitais, Necrotérios e Autoridades, inclusive ao SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR foram inúteis e a família de Eduardo Collier Filho, desesperada, apela a quem souber do destino de Eduardo e de seu amigo Fernando Augusto." 

Anúncio publicado em 30/1/1975 informando sobre o desaparecimento de Eduardo Collier Filho e Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira.

Em 1 de março de 1975, já com a censura levantada, o nome de Fernando Augusto voltou a aparecer na publicação da notícia "OEA aguarda a nota do Brasil". Nesse texto, é relatado que a mãe de Fernando Augusto visitou a Câmara dos Deputados e dizia aos congressistas do MDB. "É mentira, mentira, mentira. Não creio que ele esteja desaparecido. Ele disse que nunca sairia do País sem me avisar."

Fernando Augusto, pai do atual presidente da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], reapareceu no noticiário após 45 anos por causa da declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o que considera ser a causa da morte do preso e desaparecido político.

> Veja as páginas no formato galeria

Leia também:

> Manoel Fiel Filho, da fábrica da Mooca para a morte

Que fim levou Tenório?

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão

# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | instagram

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos