ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

O Castelinho da Rua Apa

Construção histórica de 1912 ficou famosa por causa de um crime familiar

13 de outubro de 2015 | 15h 01
Rose Saconi

Ayrton Vignola/Estadão

A construção em estado de abandono pode ser vista por quem passa pela avenida São João (ou pelo Minhocão), sentido Lapa. É o famoso Castelinho da Rua Apa, que foi palco de um crime familiar que abalou a cidade na década de 1930. O imóvel foi construído em 1912 como uma réplica de um castelo medieval francês, com seus vitrais pintados por renomados artistas da época e tapetes indianos. Era a casa da família César Reis, dona de um famoso cinema, o Broadway, na avenida São João, que hoje não existe mais; e de terrenos e casas no nobre bairro do Pacaembu.

O crime. No dia 12 de maio de 1937, Álvaro César Guimarães Reis matou a mãe, Maria Cândida, e o irmão Armando, dentro do imóvel, suicidando-se em seguida. Um amigo do assassino encontrou os corpos perto da escadaria e na entrada do escritório. Por toda a noite, curiosos revezaram-se para saber da tragédia.

O Estado de S. Paulo - 13/5/1937

Dizia-se que Álvaro queria instalar um ringue de patinação, no lugar do cinema, na avenida São João. Mas Armando, que cuidava das finanças da família, recusava a ideia. Era um investimento caro. Por isso, naquela noite chegaram às vias de fato e houve as mortes. O noticiário do Estado do dia seguinte (clique na imagem acima e leia a íntegra da notícia), dizia que o delegado do caso, Durval de Villalva, ficara sabendo dessa história. Álvaro queria construir o Palácio do Gelo, mas o irmão e a mãe eram contra. "Por motivo dessa divergência, o dr. Álvaro andava ultimamente acabrunhado, e seu irmão até pensara em submetê-lo a exame por um psychiatra".

As circunstâncias do crime acabaram não sendo esclarecidas e logo após o crime o imóvel foi fechado. Em 1996 a ONG Clube de Mães do Brasil obteve a concessão de uso concedida pela União, mas não conseguiu recursos para fazer reforma no local. Em 2004 o Castelinho foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), mas continuou abandonado e acabou virando abrigo de usuários de drogas, moradores de rua e depósito de sucata.

O Estado de S. Paulo - 11/12/2004

Navegue na galeria e veja mais do 'Fotos Históricas'

Tag: Criminalidade

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão |

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos