ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

O mundo que Niemeyer viu

Em quase 105 anos, arquiteto testemunhou e protagonizou o século 20

06 de dezembro de 2012 | 19h 02
Rose Saconi e Carlos Eduardo Entini

Em sua vida longeva, Oscar Niemeyer testemunhou e protagonizou um século de transformações. Poucos personagens tiveram a oportunidade de vivê-la tão intensamente e longinguamente e, ao mesmo tempo, deixar marcas concretas, como fez o arquiteto.

Siga, abaixo, uma cronologia que relaciona os fatos do Brasil e do mundo, com as obras e vida pessoal de Niemeyer.


1907
Nasce Oscar Niemeyer Soares Filho em 15 de dezembro, no bairro das Laranjeiras, Rio de Janeiro.


Capa do Estadão do dia do nascimento de Niemeyer


Sempre contava que nascera numa rua muito íngreme em Laranjeiras. Se espantava ao lembrar que brincavam, ele e seus colegas, de futebol ali, descendo e subindo a ladeira. Era a antiga Rua Passos Manuel (hoje Ribeiro de Almeida, em homenagem ao seu avô, o então ministro do Supremo Tribunal Federal).

Dos tempos de infância também ficou a lembrança do desejo de ser jogador de futebol, sonho que nutria quando atuava como ponta-direita do juvenil do Fluminense.

Viveu uma juventude boêmia como frequentador do Café Lamas, o clube Fluminense e o bairro da Lapa.

Década de 1900



1928
Casa-se, aos 21 anos, com Annita Baldo. Conclui o ensino secundário e começa a trabalhar na oficina tipográfica do pai.

1929
Ingressa na Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, com a ideia de tornar-se arquiteto.

Década de 1920


1935
Avesso à arquitetura puramente comercial, enxergou em Lúcio Costa um mestre. Isso o levou a trabalhar, sem remuneração, para o escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão, no Rio. A parceria com Lúcio ergueria, duas décadas depois, no meio do Serrado, a Capital Federal.

1937
Foi na obra do edifício-sede do Ministério da Educação e Saúde, Rio de Janeiro, hoje palácio Gustavo de Capanema, que ele colocou fez seus primeiros traços.. Trabalharam na execução do projeto ao lado de Oscar Niemeyer, Lúcio Costa, Afonso Reidy e Carlos Leão entre outros discípulos de Le Corbusier.

1938
Forma-se arquiteto pela Escola Nacional de Belas Artes, no Rio. Não obteve grande destaque na Universidade; seu histórico escolar não indicava o êxito que o futuro lhe traria.

1939
Projeta, juntamente com Lúcio Costa, o pavilhão brasileiro na Feira Mundial de Nova York.
Essa viagem aos Estados Unidos também marca a associação com o escritório Paul Lester Wiener, responsável pelos estandes da exposição.

Década de 1930



1940
Realiza o que considerara a obra-chave de sua carreira, o Conjunto da Pampulha, em Belo Horizonte.

É apresentado a Juscelino Kubitschek, então prefeito de Belo Horizonte, que o convida a projetar o Conjunto da Pampulha.

1945
Conhece Luís Carlos Prestes e filia-se ao Partido Comunista Brasileiro. Somente se desligou do partido em 1990.

1946
Tem o visto para os EUA negado, devido à sua filiação ao Partido Comunista Brasileiro, impossibilitando-o de aceitar o convite para ministrar um curso na Universidade de Yale.

1947
Já desfrutando de prestígio internacional é convidado a participar da equipe de arquitetos para a realização do projeto arquitetônico da sede das Nações Unidas, em Nova York.

Década de 1940



1950
Tem primeiro livro publicado sobre seu trabalho nos EUA, por Stamo Papadaki.

1951
Projeta o Conjunto do Ibirapuera em homenagem aos 400 anos de São Paulo e o Edifício Copan, na mesma cidade.

1952
Constrói sua própria casa no Rio, a Casa das Canoas.

1953
Utilizando fundos do Plano Marshall para reconstrução Europeia no pós-guerra, o Senado de Berlim Ocidental decide reconstruir o bairro residencial de Hansa, destruído pelos bombardeios durante a guerra. Niemeyer integra o grupo de 15 arquitetos encarregados do projeto.

1954
Ciccillo Matarazzo convida Niemeyer a criar o Parque do Ibirapuera.

1956
É convidado por Juscelino Kubitschek para dirigir o Departamento de Arquitetura da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap). Niemeyer abre concurso para o projeto urbanístico de Brasília e o vencedor é seu antigo patrão e amigo Lúcio Costa. Niemeyer ficaria então com os projetos dos prédios e Costa com o projeto urbanístico da nova Capital.

Década de 1950



1960
Brasília é inaugurada no dia 21 de abril.



1961
Publica o livro Minha experiência em Brasília, editado em Moscou, Roma e Paris.

1963
Recebe o Prêmio Lênin Internacional na Rússia e se torna Membro Honorário do Instituto Americano de Arquitetos dos EUA.

1965
Pede demissão da Universidade de Brasília em protesto contra a política universitária. No mesmo ano vai à França para exposição sobre sua obra no Museu do Louvre.

1966
Impedido de trabalhar no Brasil, abre escritório no Champs Elysées, em Paris, e realiza obras de destaque em outros países como a Universidade de Constantine e a Mesquita de Argel (Argélia); a Sede do Partido Comunista Francês (França); e a sede da Editora Mondadori (Itália). Veja essas e outras obras do arquiteto espalhadas pelo mundo aqui.

1968
Ganha o Prêmio Benito Juarez, do Centenário da Revolução Mexicana.

Década de 1960


1975
Recebe o título Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, em Portugal.

1979
Ganha o título de Oficial da Ordem da Legião de Honra da França.

Década de 1970


1980
Na década de 80 volta ao Brasil e projeta o Memorial Juscelino Kubitschek. Recebe a Medalha do Conselho Artístico.

1982
Recebe a Medalha do Porto Oceânico de Le Havre, na França, e o título de Membro Honorário da Academia de Belas Artes da União Soviética.

1983
Realiza o projeto da construção da sede da Rede Manchete.

1984
Realiza o projeto do Sambódromo do Rio de Janeiro.

1985
Ganha o Prêmio Roma-Brasília - Cidade da Paz, da prefeitura de Roma e recebe os títulos Grã-Cruz da Ordem do Mérito de Brasília e Virtuoso da Pontifícia Insigne Academia Artística. Projeta o Panteão da Pátria de Brasília.

1986
Publica o livro Oscar Niemeyer.

1987
Realiza o projeto do Memorial da América Latina para São Paulo e recebe a Medalha Rodrigo Melo Franco de Andrade, da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

1988
Ganha o Prêmio Pritzker de Arquitetura (Chicago).

Década de 1980


1990
Recebe a Medalha do Colégio de Arquitetos da Catalunha (Espanha); e o título de Cavaleiro Comendador da Ordem de São Gregório Magno (Vaticano).

1991
Projeta o Sambódromo de São Paulo.

1993
Publica o livro Lições de arquitetura.

1995
Recebe a Insígnia da Ordem do Mérito Cultural no Brasil.

1996
É inaugurado o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, com projeto de sua autoria.

1997
Recebe o Diploma de Honra ao Mérito da Associação de Arquitetos do Reino Unido

1998
Publica o livro de memória As curvas do Tempo.

Década de 1990

2002
É inaugurado o complexo que abriga o Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, com seu projeto.

2003
Projeta o anexo provisório da Serpentine Gallery, galeria londrina, no Paraná, que constrói a cada ano um pavilhão no seu jardim.

2004
Morre sua esposa, Annita Baldo, com quem ficou casado por 76 anos. Dessa união teve uma filha, Anna Maria, que teve cinco filhos. Estes deram a Oscar 13 bisnetos e quatro trinetos.

2005
O arquiteto não comparece à cerimônia de abertura do auditório da Marquise do Parque do Ibirapuera no mês de outubro. Ele chegou a afirmar que só iria ao parque quando “a situação da marquise fosse resolvida”.

2006
Casa-se com a sua secretária, Vera Lúcia Cabreira, de 60 anos. É convidado a elaborar projeto do novo centro administrativo de Minas Gerais

2007
É considerado o Ano Nacional Oscar Niemeyer no Brasil, em homenagem ao seu centenário. Tem seu primeiro projeto na Espanha, o Centro Cultural Internacional Oscar Niemeyer, em Avilés e realiza o projeto de reformulação do Detran, em São Paulo, para abrigar o novo Museu de Arte Contemporânea da USP (mas seu projeto depois é descartado). Começa a fazer o projeto do Caminho Niemeyer, complexo de sete construções públicas, seis particulares e esculturas do arquiteto

2008
O comandante Fidel Castro cita Niemeyer em sua carta de renúncia ao governo de Cuba: “Penso como Niemeyer que é preciso ser consequente até o final”, escreveu Fidel em trecho.
Em novembro lançou a coletânea Crônicas , reunindo textos inéditos e crônicas publicadas em diversos jornais brasileiros, seu primeiro livro de crônicas.

2009

Propõe o arquivamento dos desenhos do projeto que fez para a Praça da Soberania, uma imponente edificação, com uma garagem subterrânea, pensada para brotar na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. A polêmica em torno do projeto mobilizou arquitetos pelo País, especialistas do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) e até mesmo o Ministério Público Federal, que ameaçou embargar a futura obra.

Década de 2000



2010

Niemeyer apresenta projeto de sua nova obra, o Museu Pel, em Santos.

2011

Em março, inaugurado o Centro Cultural Internacional Oscar Niemeyer de Avilés, na Espanha. O espaço foi idealizado por Niemeyer como uma enorme praça pública, dialogando com um auditório capaz de abrigar cerca de mil pessoas. O Centro Niemeyer, que o arquiteto considera sua obra mais importante na Europa, é composto de cinco partes - uma cúpula, um auditório, uma praça, um mirante e um edifício que será ocupado por cinemas, salas de ensaios e de conferências.

No mês de junho, a Arquidiocese de Belo Horizonte anuncia o início da construção da Catedral Metropolitana Cristo Rei - Santuário da Divina Misericórdia, projetado por Niemeyer. O projeto previa a construção de uma catedral em forma de cúpula, com 60 metros de diâmetro, suspensa por duas estruturas a 100 metros de altura. "Dignas de nota, como são as colunas da Catedral de Brasília", destacou.
No mesmo mês também anuncia projeto inédito em sua carreira para a cidade de Niterói: 15 pórticos - acessos de cidade - destinados a integrar um sistema de proteção policial e vigilância.

Agosto. Lança livro sobre 16 projetos de igrejas

Dezembro. Arquiteto completa 104 anos e comemora em seu escritório na Avenida Atlântica, em Copacabana. De terno preto e em cadeira de rodas, acompanhado pela mulher, Vera, ele bebeu uma taça de champanhe e lançou o número 11 da revista Nosso Caminho, dedicada à arquitetura, literatura e arte.

2012

Fevereiro. Participa da cerimônia de reinauguração do sambódromo do Rio. Niemeyer finalmente viu seu desenho original sair do papel 28 anos após ser lançado.

Maio. Fica duas semanas internado no Rio para tratamento de pneumonia e desidratação.

Junho. Perde sua única filha, a galerista Anna Maria Niemeyer, de 82 anos.

Novembro. É internado pela terceira vez no ano.

Década de 2010

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos