ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Os 'futuros' da mulher

Do 'Bello Sexo' à mulher de hoje, a cada etapa da condição da mulher um novo papel era reservado a ela

07 de março de 2013 | 12h 29
Rose Saconi e Carlos Eduardo Entini







A mulher sempre teve um lugar no futuro. Ou vários. Do eufemismo "Bello Sexo" da propaganda do começo do século 20, à mulher de hoje, em cada etapa da condição feminina um novo papel era reservado a ela. A mulher, garantia do futuro da humanidade - assim anunciava em 1926 remédio Tannol, indicado para "moléstias uterinas" - continua a luta para que a igualdade de direitos e oportunidades entre os sexos se torne cada vez mais real.

O Estadão registrou, em dois séculos, vários futuros reservados a ela, conheça alguns.


No final do século 19, a luta por mais espaço era visto como um fato dado, mas viria acompanhado pelo caos. Era o que dizia o texto publicado no Estadão em 1897 por Isidoro C. Gomes,  "cortados os tentáculos da ignorância, a mulher pretendeu logo medir as forças do seu espirito, e começou a disputar com o homem um quinhão de gloria no campo da arte, da literatura, da sciencia e da politica".

"Parece-nos inconstestável - prossegue Gomes - que ella terá como resultado (...) um desequilíbrio nas funções sociais de cada um dos sexos creando uma anarchia, um cáos em que as actividades masculinas e femininas se acharão inextricavelmente confundidas".






O publicista italiano, Guido Podrecca, fez uma série de palestras em 1914. Realizadas em São Paulo, Podrecca considerava que a relação entre os sexos teria modificações por causa da nova realidade econômica, "certamente a base da sociedade continuará a ser a família, mas livremente constituída e solúvel (o divórcio já é um passo), e a mulher terá uma cultura propria e poderá exercer a sua funcção principal (...) A transformação econômica da sociedade tirará do matrimônio o factor que o faz degenerar o interesse (...)".





Um futuro de caos com a nova condição da mulher previsto no final do século 19 não se realizou. Em 1946, a relação entre os gêneros era vista como  colaboração, "com um cérebro que pensa, com uma personalidade consciente, a mulher marcha hoje paralelamente ao homem. Ela não pretende ser a sua concorrente, mas sim colaboradora. (...) As moças vão se preparar nas mesmas escolas que os rapazes, onde se prepararão em condições de igualdade, para conquistar as mesmas posições e ter mais tarde as mesmas possibilidades".





Em 1956, emancipação feminina não tinha retorno, "todas as guerras terminam pela vitoria do mais forte, exceto a dos sexos: ela acaba sempre pela vitória do sexo fragil".




Em 1974, a mulher no mercado de trabalho não era mais futuro, era fato. Futuro era, e ainda é, a redução da desigualdade de renda entre homens e mulheres, "é de se prever que no futuro próximo as desigualdades de oportunidade e de distribuição da renda diminuirão inevitavelmente, com o que muito se beneficiará a sociedade brasileira". Segundo  o 'Estadão Dados', o Brasil não diminui desigualdade salarial entre os sexos. Homens com mesmo graus de escolaridade ganham até 66% mais; veja defasagem e diferença de salários





Ainda está no futuro da mulher um maior papel dentro da igraja católica, um mundo ainda secundário para a mulher. Ela "sempre ficou relegada a uma situação que é executar e nunca de decidir dentro da Igreja". Vamos reivindicar nossa participação nas decisões e na vida da Igreja e não apenas na sua vida litúrgica", disse ao Estado em 1973 uma representante feminina da América Latina na comissão criada pelo papa Paulo VI para estudar as limirações impostas à mulher na Igreja Católica".






 

Este futuro ainda está por vir: "na publicidade, as mulheres são usadas como símbolos sexuais ou como objetos de propriedade dos homens. No futuro, os anúncios precisam utilizar a imagem da mulher como ser humano, e não chamar a atenção para o seu corpo", explicou a publicitária Amelia Bassin em 1972, uma realidade que predomina até hoje.



  Em 2011, o fututo depende da pergunta: quais os rumos do feminismo hoje?

Conheça algumas das lutas e conquistas da mulher do século passado e saiba como o Estadão acompanhou  movimentos revolucionários desencadeados pelo feminismo:

# Mulheres de calças chocavam a sociedade em 1911

# Declarada guerra ao espartilho

# Há um século, discutia-se a invasão feminina no mercado de trabalho

   
Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine
PÁGINAS HISTÓRICAS

Proclamação da República

Veja essa e outras capas que marcaram época Proclamação da República

Acervo Estadão

Tópicos
ver todos