ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Prédios de São Paulo: Mendes Caldeira

Edifício foi demolido durante obras do metrô; cidade parou para ver a primeira implosão do Brasil

03 de fevereiro de 2014 | 11h 49
Cley Scholz
"O maior negócio do Brasil, no centro do centro de São Paulo". Assim foi anunciado, no dia 19 de junho de 1960, o lançamento do edifício Mendes Caldeira, na Praça da Sé. "Ponto de encontro de mais de cem bairros, no ponto chave das zonas bancária e judiciária de São Paulo", destacava o anúncio.


O Estado de S.Paulo - 19/6/1960




O 'maior negócio do Brasil' voltaria aos jornais 15 anos depois como a maior implosão da América Latina (veja abaixo nas 'Páginas Selecionadas' mais informações). O prédio teve de ser demolido para dar lugar às obras da Estação Sé do Metrô de São Paulo, que estavam atrasadas. Ele ficava onde hoje é o acesso norte da Estação Sé. 


>> Acompanhe a série "Prédios de São Paulo"



Em 1975, os processos de desapropriação de imóveis no centro começaram para poder serem iniciadas as obras da linha Leste-Oeste. A desapropriação do Mendes Caldeira custou ao Metrô
26,8 milhões de cruzeiros.


O edifício de 36 mil toneladas virou entulho em
16 de novembro de 1975. Primeira vez no País a demolição por picaretas era substituída pelo novo método de implosão. Durante semanas, 360 quilos de explosivos foram colocados em 972 furos, nos pilares do edifício de 30 andares com 364 escritórios. O Metrô convidou mil pessoas e credenciou 300 jornalistas para o espetáculo que mudou a paisagem do centro, unindo as praças Clóvis Beviláqua e a Sé. São Paulo parou para assistir o prédio desaparecer em 9 segundos.


>>Veja onde o prédio ficava

Páginas selecionadas pelo Editor

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Proclamação da República

Veja essa e outras capas históricas Proclamação da República

# Capa do jornal de 16/11/1889

Tópicos
ver todos