ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Reportagem de Ricardo Boechat no Estadão venceu Prêmio Esso de 1989

Cobertura revelou escândalo de extorsão envolvendo a BR Distribuidora da Petrobrás

11 de fevereiro de 2019 | 15h 57
Liz Batista - O Estado de S.Paulo

Retrato do jornalista Ricardo Boechat, São Paulo, SP, 29/3/2006. 

O renomado jornalista Ricardo Boechat, morto nesta segunda-feira (11) num acidente de helicóptero, foi repórter do Estadão, colunistachefe da sucursal do jornal no Rio de Janeiro durante a década de 1980. Com a cobertura sobre o "Caso BR", uma série de reportagens publicadas por ele juntamente com Aluizio Maranhão, Suely Caldas e Luiz Guilhermino, todos da equipe carioca da Agência Estado, recebeu o Prêmio Esso de Reportagem em 1989.

O Estado de S.Paulo - 29/11/1988

O Estado de S.Paulo - 29/11/1988

A publicação da série teve início em 29 de novembro de 1988."Petrobrás apura denúncia de extorsão" dizia a machete na capa do Estadão daquele dia. A edição trazia informações sobre um escândalo envolvendo a  gigante da América Latina, a BR Distribuidora da Petorbrás.

O Estado de S.Paulo - 29/11/1988

O Estado de S.Paulo - 29/11/1988

A cobertura apontou que o general da ativa Albérico Barroso Alves, presidente da BR , amigo e protegido do então presidente José Sarney, havia nomeado auxiliares que tentaram extorquir banqueiros em troca da manutenção das contas da maior distribuidora de derivados do petróleo do País em seus bancos. O caso contou com uma apuração cuidadosa e foi machete durante meses.

O Estado de S.Paulo - 17/12/1988

O Estado de S.Paulo - 17/12/1988

O Estado de S.Paulo - 17/12/1988

O Estado de S.Paulo - 17/12/1988

Além das informações reveladas pelas fontes, a reportagem publicou uma série de fotos tiradas de um vídeo. Nas imagens, os implicados no caso apareciam numa festa na companhia de Eid Mansur Neto, apontado como o responsável por atuar no esquema junto aos bancos de São Paulo. Dias antes os envolvidos haviam afirmado à comissão de sindicância da Petrobrás e aos parlamentares no Congresso desconhecerem Mansur Neto. Abalado pelo escândalo, o governo substituiu toda a diretoria da subsidiária. O general Albérico Barroso Alves foi transferido para a Petrofértil e seus dois auxiliares foram demitidos.

# Assine |  # Licenciamento de conteúdos Estadão

# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | instagram

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos