ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Sertão de Liverpool

Disseram que o quarteto mais pop do planeta iria gravar Asa Branca. E o mundo acreditou

08 de dezembro de 2012 | 15h 45
Edmundo Leite

O ano de 1968 foi tão pródigo em acontecimentos determinantes que até um tempo atrás diziam que ele ainda não havia terminado. No Vietnã, a guerra matava garotos que curtiam Beatles e Rolling Stones. Nos EUA, um líder negro e um senador branco eram assassinados. Em São Paulo, uma peça de teatro era atacada por trogloditas e centenas de estudantes eram presos num sítio em Ibiúna. Jovens tomavam as ruas em Paris. Mas a primavera, que prometia ser florida, acabou abruptamente. O negócio era contar os dias para que as festas chegassem logo e cantar feliz ano novo. Mas dezembro chegou com uma sexta-feira 13 que traria pelo menos mais uma década de azar.

Não era mais possível falar das flores no país tropical, mas ainda havia algum alento. Se quatro rapazes ingleses mostraram que era possível existir sargentos preocupados com corações solitários, o sonho ainda não havia acabado. Esperar o próximo disco dos Beatles era uma válvula de escape prazerosa. O que poderia vir depois de Sgt. Peppers? Conseguiria o grupo superar a obra em todo revolucionária?

Com as notícias da tensão entre os integrantes, as especulações sobre o que viria a ser o Álbum Branco causava ansiedade geral. Foi quando veio a bomba: os Beatles gravariam Asa Branca, lançada pelo velho Luiz Gonzaga.

O Estado de S. Paulo - 21/8/1968
O boato publicado de que os Beatles gravariam 'Asa Branca'

"Ninguém sabia ao certo de onde veio a informação, mas sei que me disseram por aí e foi gente séria que falou", garantiam todos que contavam a história num telefone sem fio que não demorou para ganhar destaque no rádio e na TV e páginas de quase toda a imprensa brasileira.

O Estado de S. Paulo - 29/9/1968

O desmentido veio do próprio empresário dos Beatles um mês depois


O próprio Gonzagão e seu parceiro Humberto Teixeira na autoria do lamento contra a desgraça da seca na vida dos caboclos do norte se surpreenderam. O velho Lua, que não se cansava de destilar ressentimento contra o iê-iê-iê que coroou outro rei em um trono que fora seu, mostrava um autêntico orgulho de tamanha honraria. "Os meninos ingleses têm muito sentimento e não avacalham a música. A toada deles parece bastante com as coisas do Nordeste. Até as gaitas de fole lembram a nossa sanfona", publicou a revista Veja numa reportagem sobre a volta ao sucesso do sanfoneiro por causa da gravação de sua canção pelos artistas mais famosos do planeta. "Agora que eu quero ver se os Beatles vencem mesmo", provocou, evocando os mais de 2 milhões de discos em quase 30 anos.

O clima era de festa e o orgulho brazuca foi às alturas. Mas cadê a Asa Branca tocada pelos Beatles? Após a euforia inicial, a imprensa começou a fazer o seu dever e foi perguntar à gravadora. Ninguém sabia de nada e um desmentido publicado alguns dias depois no Estado dava mais um toque surreal: "O empresário dos Beatles, Don Kass, desmentiu ontem que o conjunto inglês tivesse gravado Asa Branca, de Luiz Gonzaga, ou mesmo convidado Baden Powell para ensinar-lhes a tocar berimbau, como foi diversas vezes noticiado. Explicou que Paul McCartney compôs um samba, ainda sem nome, que será incluído no próximo long-play do conjunto".

A essa altura, Gonzagão já sabia que tudo não passava de uma cascata inventada pelo agitador cultural, compositor e pai da pilantragem, Carlos Imperial, como conta Denilson Monteiro na biografia do homem que era mestre em espalhar lendas, nem sempre com a melhor das intenções.

Mas dessa vez, a causa de Imperial era nobre: resgatar o prestígio de Gonzaga ante um público que o desprezava. Imperial tinha uma tese de que havia semelhanças musicais entre o rock e o baião e depois de convencer um desconhecido grupo de rock que acompanha Ronnie Von a gravar Asa Branca, usou o tape para espalhar a notícia sobre os Beatles. Vendo que a mentira ficara fora de controle até para um pilantra de primeira grandeza como ele, procurou Gonzaga para contar a verdade e esclarecer a coisa publicamente. O sanfoneiro, que também gostava de contar das suas, não quis nem ouvir. Agradeceu ao Gordo, mandou às favas os pudores e aproveitou a maré. "Aquilo foi mentira, foi cascata bem favorável para mim", declarou à edição brasileira da revista Rolling Stone: "Ganhei dinheiro, ganhei programa, dei entrevistas".

Pensando bem, deveríamos agradecer a Imperial por ter nos permitido um pouco de fantasia em meio à turbulência daqueles dias. Mentiras sinceras interessam. Pense numa obra-prima como Asa Branca cantada por Paul, tocada por John, George e Ringo, com arranjos de George Martin. Que mentira, que lorota boa. Que mentira, que lorota boa.

Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Veja o jornal do dia que você nasceu

Busque a edição pela data de seu nascimento Veja o jornal do dia que você nasceu

# Capa com cartaz do filme King Kong em 1933

Tópicos
ver todos