ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Como era São Paulo sem Sesc Pompéia

Revitalizado por Lina Bardi, prédio do centro cultural já foi fábrica de tambores e geladeiras

01 de novembro de 2013 | 11h 10
Rose Saconi

 


Fábrica, onde hoje funciona o Sesc Pompéia, abandonada em 1972. Foto: Paquito/Divulgação


Até o final do século 19, na região conhecida como Chácara Bananal, haviam apenas estábulos e poços. Em 1911, por 260 contos de réis, a Companhia Urbana Predial comprou neste local um terreno, que posteriormente foi vendido para a empresa alemã Mauser & Cia Ltda. Nos anos 1930 esta empresa construiu ali uma fábrica de tambores de óleo.

A fábrica, construída com base em um projeto inglês, ocupava um ponto cobiçado por qualquer indústria da época: quase de frente para a então avenida Água Branca e à curtíssima distância dos trilhos das antigas estradas de ferro Sorocabana e Santos-Jundiaí. Em 1935 o Estado noticiou um incêndio que destruiu a fábrica de tambores: "Na madrugada de hontem, num depósito da firma Mauser & Cia Ltda, sita á rua Guaycurus, 41, manifestou-se um incendio que destruiu todo o material alli existente (...)".

Durante a Segunda Guerra, a família Mauser retornou à Europa e a Fábrica Nacional de Tambores foi embargada. O prédio, abandonado, foi a leilão. O novo proprietário acabou sendo a Indústria Brasileira de Embalagens (Ibesa) e começou a ser usado como linha de montagem de geladeiras da extinta marca Gelomatic.

Sesc - Quando o Sesc comprou o imóvel, em 1971, a fábrica já estava fechada. O objetivo era construir no local um grande edifício. A boa - e surpreendente - notícia foi dada pelo Estado em 1978 (à esquerda): "A fábrica de geladeiras construída em estilo Manchester, situada na rua Clélia, 93, na Pompéia, comprada pelo Sesc, será restaurada para a implantação de um novo centro cultural. O projeto de restauração, elaborado pela arquiteta Lina Bo Bardi, já foi aprovado pelo presidente do Conselho Regional do Serviço Social do Comércio".

Inauguração - Depois de quatro anos de trabalho da equipe liderada por Lina, a antiga fábrica foi revitalizada e transformada em um novo centro cultural da cidade, inaugurado em abril de 1982 com o nome de Sesc Fábrica Pompéia. A premiada arquiteta enxergou naquele prédio praticamente abandonado, sem grande valor histórico, um grande motivo para desenvolver um projeto que integrasse arquitetura de preservação e cidadania.

O Estado de S. Paulo - 22/8/1982


"Preservar a fábrica é preservar um pedaço da história da cidade, mas um pedaço da história como ela é mesmo, sem disfarces. Nada daquele conceito de que só deve permanecer o que é belo. O que é típico deve ser valorizado. Mesmo que seja simples, como seria obrigatoriamente uma fábrica de tambores", disse a arquiteta ao Jornal da Tarde em 1977, ao iniciar o trabalho.

Mais da série "São Paulo sem..."



Museu do Ipiranga

Telefones Públicos

Rodoviária

Cidade Universitária

Túnel 9 de Julho

Minhocão
 
Anchieta
 
Catedral da Sé

Avenida Sumaré

Iluminação

Interlagos

Radial Leste
 
Edifício Martinelli
 
Cinema

Mercado Municipal


Água encanada

Congonhas

Semáforos
 
Jóquei Clube


Teatro Municipal

Saco de lixo

Vale do Anhangabaú

Asfalto

Estádios

Estação da Luz

Marginal Tietê

Shopping Centers


Bombeiros

Biblioteca

Supermercado
 
Parque do Ibirapuera
 
Lista telefônica

Calçadas
 
Jardim Zoológico

Viaduto do Chá

Aterro sanitário
 
Plano Diretor

Avenida Paulista

Mercado da Lapa

Parque Antártica
   

Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine 

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Proclamação da República

Veja essa e outras capas históricas Proclamação da República

# Capa do jornal de 16/11/1889

Tópicos
ver todos