ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Cecília Meirelles

Cecília Benevides de Carvalho Meireles
7/11/1901, Rio de Janeiro (RJ) – 9/11/1964, Rio de Janeiro (RJ)

A filha de um bancário e de uma professora municipal, única sobrevivente dos quatro filhos do casal, perdeu o pai 3 meses antes do nascimento, e a mãe 3 anos depois. O silêncio e a solidão fizeram parte da infância da escritora, criada pela avó Jacinta Garcia Benevides, e fazem parte da temática de seus poemas, que abordam ainda a religiosidade e a brevidade da vida. Após concluir o estudo primário com distinção e louvor, recebeu uma medalha de ouro do poeta Olavo Bilac, à época Inspetor Escolar do Rio de Janeiro. Em 1917, diplomada no Curso Normal do Instituto de Educação do Rio de Janeiro, torna-se professora em escolas da cidade. "Espectro", seu primeiro livro de poesias, trazendo sonetos simbolistas, é publicado dois anos depois.

Durante a década de 1920, época em que se casa com o pintor português Fernando Correia Dias, com quem teve três filhas, publica ainda "Criança, meu amor" (1923), "Nunca mais..." (1923), "Poema dos Poemas" (1923) e "Baladas para El-Rei" (1925). Em Lisboa, publica uma apologia do Simbolismo no ensaio “O Espírito Vitorioso” (1935). Trabalha como jornalista no Diário de Notícias entre 1930 e 1931, onde escreve diariamente sobre educação. Assina, em conjunto com os educadores Fernando de Azevedo, Anísio Teixeira e Afrânio Peixoto, o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, considerado o marco da renovação educacional do Brasil. Ainda na década de 1930, organiza a primeira biblioteca infantil do Rio de Janeiro, profere conferências sobre Literatura Brasileira em Portugal, onde publica o ensaio “Batuque, Samba e Macumba” (1931), e leciona na Universidade do Distrito Federal (atual UFRJ). Nesse período, escreve também no jornal A Manhã e na revista Observador Econômico.

Sua consagração como poetisa de renome ocorre em 1939, quando seu livro "Viagem", publicado no mesmo ano, recebe o Prêmio de Poesia Olavo Bilac, da Academia Brasileira de Letras. "Olhinhos de Gato", de temática infanto-juvenil e baseado na infância da escritora, é publicado em capítulos na revista portuguesa Ocidente. Após a morte do marido, casa-se com o engenheiro agrônomo Heitor Vinícius da Silveira Grilo. Na década de 1940, Cecília Meireles leciona Literatura e Cultura Brasileira na Universidade do Texas, nos Estados Unidos, e se torna sócia honorária do Real Gabinete Português de Leitura. Publica "Vaga Música" (1942), "Mar absoluto" (1945), "Rute e Alberto" (1945), "Retrato Natural" (1949), além de uma biografia de Rui Babosa para o público infantil, intitulada "Rui – Pequena História de Uma Grande Vida" (1949).

Em 1951, já aposentada como diretora de escola, começa a trabalhar como produtora e redatora de programas culturais na Rádio Ministério da Educação. Nesse período realiza conferências sobre literatura e folclore na Europa, África e Ásia. Devido à sua relação com a Índia, torna-se sócia honorária do Instituto Vasco da Gama, em Goa, e recebe o título de Doutora Honoris Causa da Universidade de Délhi. A década de 1950 é de intensa produção literária, e a escritora publica cerca de 15 livros, dentre eles o consagrado "Romanceiro da Inconfidência" (1953).

Nos anos que precederam a sua morte, publica ainda "Metal Rosicler" (1960), "Poemas de Israel" (1963), pelo qual ganhou o Prêmio Jabuti de Tradução de Obra Literária, "Solombra" (1963), recebe o Prêmio Jabuti de Poesia, e "Ou Isto ou Aquilo" (1964), livro infantil considerado um clássico da poesia brasileira.

Cecília Meireles falece em 1964 e recebe grandes homenagens públicas. No ano seguinte, recebe da Academia Brasileira de Letras o Prêmio Machado de Assis, pelo conjunto de sua obra. A escritora publicou mais de 30 livros em vida, e deixou uma extensa obra poética póstuma, com muitos escritos permanecendo inéditos durante anos depois de sua morte.

mulheres no Acervo

Páginas selecionadas pelo Editor

PÁGINAS HISTÓRICAS

Proclamação da República

Veja essa e outras capas que marcaram época Proclamação da República

Acervo Estadão

Tópicos
ver todos