ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Chico Anysio

Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho
12/4/1931, Maranguape (CE) - 23/3/2012, Rio de Janeiro (RJ)

Um dos maiores humoristas mais populares do país, passou a infância num sítio em Maranguape, interior do Ceará, ao lado dos três irmãos, onde aprendeu a ler sozinho. Após a família passar por dificuldades financeiras em decorrência de um incêndio na empresa de ônibus de propriedade de seu pai, mudou-se para o Rio de Janeiro, aos oito anos de idade. Estudou no Liceu Francês, onde criou o seu primeiro personagem, uma imitação do professor de francês da escola. Cursou também o Atheneu São Luiz e o Anglo-Americano antes de ingressar no Colégio Independência, um internato no Engenho Novo.

Na juventude, queria ser jogador de futebol, mas deixou de ir a uma partida para acompanhar a irmã que faria um teste na Rádio Guanabara. Na ocasião, Chico Anysio fez dois testes, rádio-ator e locutor, e passou em ambos, iniciando a carreira como locutor de programas da madrugada, em 1947. Na rádio, trabalhou também como redator e comentarista esportivo, assunto que dominava em virtude da experiência do pai que, além de empresário, era presidente do Ceará Sporting, responsável pelo profissionalismo do futebol naquele estado.

Paralelamente à atividade como radialista, desenvolveu a carreira profissional de humorista, imitando vozes de atores e locutores famosos da época, como Oscarito, Rodolfo Mayer e César Ladeira, entre outros. Premiado em diversos programas de calouros no Rio de Janeiro e em São Paulo, tais como “Papel Carbono”, de Renato Murce, “Os calouros do Ary Barroso”, na Rádio Tupi, e “Pescando Estrelas”, de Arnaldo Amaral, entre outros. No mesmo período trabalha na Rádio Guanabara onde escreve os programas de humor “Show Ping-Pong”, “Cine Art-Palacinho” e “Teatrinho Bhering”. Aos 18 anos, assina um contrato de três anos com a Rádio Clube Pernambuco, mas retorna ao Rio de Janeiro um ano depois, onde trabalha na Rádio Clube do Brasil, escrevendo e atuando. Durante a década de 1950, apresenta junto com o humorista Haroldo Barbosa o programa “A Cidade se Diverte” na Rádio Mayrink Veiga, fazendo o seu recém-criado personagem mais famoso, o Professor Raymundo.
Chico Anysio também foi um rei do stand up, muito antes de um show solo ser conhecido por esse nome

Chico Anysio também foi um rei do stand up, muito antes de um show solo ser conhecido por esse nome


A estreia na televisão ocorreu em 1957, também por intermédio do amigo Haroldo Barbosa, que escrevia o programa “Aí vem Dona Isaura”, na TV Rio, e escalou-o para interpretar um dos personagens. Durante o início da ditadura militar, após uma progressiva queda de audiência na TV Rio, muda-se para a TV Excelsior, onde apresenta o “Chico Anysio Show”. Após retornar à TV Rio para encenar o programa homônimo por um breve período, participa do humorístico “Times Square”, na Excelsior, contracenando com Dercy Gonçalves, retoma o Chico Anysio Show e produz, ao lado de Daniel Filho, o programa “A volta ao mundo em oitenta shows”. Após realizar espetáculos humorísticos no Fluminense e no Clube Naval, foi convidado a trabalhar na TV Globo, onde começa fazendo o “Chico Especial”. Na emissora o personagem Professor Raymundo apareceu pela primeira vez no “Balança, mas não cai”, e posteriormente em “Chico City” e no programa “Escolinha do Professor Raymundo”. Ao longo das décadas atuando como renomado humorista criou mais de 200 personagens.

No cinema, atuou especialmente em chanchadas nas décadas de 1960 e 1970, trabalhando como ator e principalmente roteirista. Além de ator e humorista, também compôs diversas músicas, especialmente para a intérprete Dolores Duran, conhecida como “a princesinha do baião”, e lançou ao lado de Arnaud Rodrigues o LP Baiano e Novos Caetanos, um grande êxito. É também escritor, tendo publicado mais de 20 livros. Sua primeira obra, a coletânea de contos "O Batizado da vaca", foi publicado em 1973. Após a publicação de seu livro "Negro Leo" (1981), passou também a se dedicar à pintura, produzindo uma média de 20 quadros por mês e participando de diversas exposições brasileiras e internacionais. Ao longo de sua carreira, Chico Anysio realizou mais de dez mil shows no país e no exterior. Após diversas idas e vindas do hospital, faleceu devido a uma  parada cardiorrespiratória causada por falência múltipla dos órgãos, decorrente de choque séptico causado por infecção pulmonar.

Páginas selecionadas pelo Editor

>> ACESSE TODAS EDIÇÕES DO JORNAL

Proclamação da República

Veja essa e outras capas históricas Proclamação da República

# Capa do jornal de 16/11/1889

Tópicos
ver todos