ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Karl Marx

Karl Heinrich Marx
5/5/1818, Trier (Alemanha) - 14/3/1883, Londres (Inglaterra).

De ascendência judaica, iniciou os estudos secundários em 1830. Em 1835, ingressou na Universidade de Bonn, onde estudou direito. Mais tarde, transferiu-se para a Universidade de Berlim, onde aprofundou seus conhecimentos de filosofia e história. Em 1841, Marx concluiu sua tese “A diferença entre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro”, por meio da qual recebeu PhD na Universidade de Jena. Em junho de 1843, casou-se com Jenny von Westphalen, uma baronesa prussiana. Na mesma época, começou a se interessar pela obra do filósofo Georg Hegel, tendo se envolvido com um grupo de pensadores conhecidos como os “Hegelianos de esquerda”, cujos membros mais destacados eram Ludwig Feuerbach e Bruno Bauer.

Em 1842, mudou-se para Colônia, onde passou a escrever para o jornal radical “Rheinische Zeitung” (Gazeta Renana) e, mais tarde, o jornal socialista “Vorwärts!” (Avante). Nesse período, tornou-se membro da Liga Comunista, organização política contestatória de inspiração socialista. Em 1843, publicou os livros “Sobre a Questão Judaica” e “Crítica da filosofia do direito de Hegel”. Em outubro desse ano, mudou-se para Paris, onde passou a escrever para o jornal socialista “Deutsch-Französische Jahrbücher” (Anais franco-alemães). Em 1844, conheceu Friedrich Engels, de quem se tornaria amigo até o final da vida. No mesmo ano, publicou “Manuscritos econômico-filosóficos” e, no ano seguinte, “Teses sobre Feuerbach”.  Em 1845, sem condições financeiras para permanecer na França, mudou-se para Bruxelas. No mesmo ano, visitou líderes do movimento cartista em Londres e publicou, ao lado de Engels, a obra “ A ideologia alemã”, na qual desenvolveu sua concepção de materialismo histórico.

Em 1847, publicou “A pobreza da filosofia”, uma crítica do pensamento do anarco-socialismo francês de Pierre-Joseph Proudhon. Em fevereiro de 1848, lançou com Engels o "Manifesto do Partido Comunista", um texto panfletário no qual expunha a visão comunista sobre a história e esquematizava as noções de luta de classes, capitalismo e socialismo. Apoiou as revoluções europeias de 1848 (a “primavera dos povos”) e regressou à Prússia, onde passou a escrever para o “Novo Rheinische Zeitung”. Foi obrigado a abandonar o país no dia 16 de maio, e refugiou-se em Londres em 1849.

Em seus primeiros anos em Londres, Marx e a família viveram em situação de grande penúria. Nessa época, o revolucionário alemão dedicou seu tempo ao estudo do capitalismo e da economia política. Em 1851, foi brevemente colaborador do "New York Tribune". Entre 1851 e 1852, escreveu a obra “O Dezoito de Brumário de Luiz Napoleão”, no qual analisava a revolução francesa de 1848 a partir dos conceitos de luta de classes, materialismo histórico e ditadura do proletariado. Em 1859, publicou “Contribuição para a Crítica da Economia Política”. Em 1864, envolveu-se com a Associação Internacional dos Trabalhadores, tendo se tornado líder de seu conselho geral e tendo criticado a ala anarquista da associação. Na década de 1860, Marx aprofundou seu conhecimento sobre o capitalismo e estudou as teorias do mercado, do trabalho, da mais-valia e da troca elaboradas por Adam Smith e David Ricardo. Em 1867, publicou o primeiro volume do Capital, no qual analisava a mercadoria, o valor e o processo capitalista de produção.

Em 1871, após a violenta repressão à Comuna de Paris, escreveu um artigo em defesa dela intitulado “A Guerra Civil na França”. Nos últimos anos de sua vida, continuou publicando comentários políticos, a despeito de sua saúde frágil. Comentou as possibilidades de uma revolução comunista na Rússia em uma carta de março de 1881. Pouco antes de morrer, pediu a Engels que publicasse uma obra de síntese sobre seu pensamento antropológico, o que deu origem ao livro “A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado” (1874). Engels também publicou outros volumes do Capital, a partir de notas e manuscritos de Marx.

O filósofo alemão faleceu em março de 1884, três anos depois da morte de sua esposa. Seu pensamento político foi extremamente influente e marcou a história do século XX.

Páginas selecionadas pelo Editor

FOTOS HISTÓRICAS

Leila Diniz e amigas em 1967

Veja essa e outras imagens que marcaram época Leila Diniz e amigas em 1967

Foto: Ywane Yamazaki/Estadão

Tópicos
ver todos