ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Muhammad Ali

Cassius Marcellus Clay
17/01/1942,  Louisville (EUA)

Começou no boxe aos 12 anos de idade, treinado por Joe Martin, um policial local que ensinava no ginásio de esportes da cidade. Logo em 1960 vence pela categoria meio pesado na União Atlética Amadora. No mesmo ano foi para os jogos Olímpicos de Roma, onde conquistou a medalha de ouro para a equipe americana na categoria meio-pesado.

Sua primeira luta como profissional foi em 29 de outubro de 1960, contra Tunney Hunsaker. Quatro anos depois ele desafiaria Sonny Liston, campeão dos pesos pesados. Em uma luta de sete assaltos, venceu e com apenas 22 anos se tornou o Campeão Mundial. Após a conquista, se converteria ao islamismo, deixando para trás o nome de Cassius Clay e adotando Mohammed Ali.

Entre 65 e 67 defendeu o título por nove vezes, vencendo em todas as ocasiões. Em plena Guerra do Vietnã, foi convocado para se alistar nas Forças Armadas e se negou. Vai para julgamento onde é considerado culpado. Teve seus títulos cassados, foi proibido de lutar e só não acabou preso por que pagou uma fiança de 5 mil dólares.

Acabou se tornando um símbolo da resistência do povo americano à Guerra do Vietnã. Voltou a lutar apenas em 1970, quando enfrentou e derrotou Jerry Quarry em Atlanta. Em 08 de março de 1971 enfrentou Joe Frazier para reconquistar seu cinturão, mas acabou derrotado após 15 assaltos.

Em 28 de junho no mesmo ano sua condenação foi revogada pela Suprema Corte que julgou que Ali não aceitou a convocação por convicções religiosas. Continuou lutando entre 71 e 74 batendo diversos pugilistas como Floyd Patterson e Ken Norton.

Em 1974 venceu Joe Frazier e conquistou o direito de enfrentar o atual campeão dos pesos pesados, George Foreman. A luta foi organizada pelo empresário Don King, que escolheu o Zaire como palco da disputa. O evento foi chamado de “Rumble in the Jungle” e foi realizado em uma arena aberta na cidade de Kinshasa. A luta considerada uma das mais importantes da história do pugilismo foi até o oitavo assalto e terminou com vitória de Ali, que recuperou o cinturão. Ali deixou Foreman bater até cansar. Com o adversário exausto, Ali aplicou, na sequencia, diversos golpes que garantiram a sua vitória.

No ano seguinte lutou novamente contra Frazier em uma partida de desempate no confronto pessoal entre os dois. Em uma luta disputada, Ali venceu por pontos. No mesmo ano lançou sua autobiografia “The Greatest: My Own Story”

Perdeu novamente o cinturão dos pesos pesados em 1978, quando foi derrotado por Leon Spinks. Sete meses depois, teve a revanche, realizada em Nova Orleans, e recuperou o título. Anunciou o abandono da carreira em 1979, mas voltou atrás em 1980. Com 38 anos e bem mais velho que a maioria dos lutadores competitivos do mundo, perdeu para Larry Holmes por nocaute no 11ª round.

Sua última luta foi em 1981, quando enfrentou e foi derrotado por Trevor Berbick. Um dia depois anunciou que deixava definitivamente os ringues.

Após enfrentar dezenas de adversários, Mohammed Ali encerrou a carreira com 56 vitórias, sendo 37 por nocaute. Defendeu o título mundial por 19 vezes e acabou derrotado em apenas cinco ocasiões. Fora dos ringues foi diagnosticado em 1984 com Mal de Parkinson.

Foi eleito embaixador da ONU em 1998. Dois anos antes carregou e acendeu a pira Olímpica nos jogos de Atlanta. Foi eleito esportista do século pela revista Sports Illustrated. Também foi nomeado também pela BBC a personalidade esportiva do século.

Teve dois filmes baseados em sua vida. O primeiro é “Quando Éramos Reis” (When we were Kings, 1996) um documentário que relata a luta de Ali contra Foreman. O Segundo é “Ali” (Ali, 2001) onde o ator Will Smith interpreta o pugilista.

Páginas selecionadas pelo Editor

FOTOS HISTÓRICAS

Leila Diniz e amigas em 1967

Veja essa e outras imagens que marcaram época Leila Diniz e amigas em 1967

Foto: Ywane Yamazaki/Estadão

Tópicos
ver todos