ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Pinochet

Augusto José Ramón Pinochet Ugarte
25/11/1915, Valparaíso (Chile) – 10/12/2006, Santiago (Chile)

Filho de Augusto Pinochet Vera e Avelina Ugarte Martinez. Tentou entrar para a escola militar duas vezes antes de conseguir, em 1932 com 17 anos de idade. Casou-se em 1940 com Lúcía Hilart. O começo de sua carreira como militar foi lenta. Apenas em 1947, com a patente de capitão, assumiu o comando do campo de prisioneiros de Pisagua, onde estavam detidos os membros do Partido Comunista proscrito pelo governo de Gabriel Gonzáles Videla (1946-1952)

Em 1970 o socialista Salvador Allende tornou-se Presidente d a República. Três anos depois o comandante do exército, Carlos Prats renunciou ao posto e recomendou ao chefe da nação que colocasse Pinochet no cargo.

No mesmo ano foi um dos líderes do movimento conspiratório para a derrubada do governo de esquerda. Estavam sob seu comando as forças no ataque ao Palácio de La Moneda, que foi tomado após um intenso bombardeio e três horas de combate que resultaram na morte de Allende (relatórios posteriores indicam que o presidente suicidou-se). Apesar disso foi um dos últimos militares a entrar no golpe.

Tornou-se líder do país devido a seu cargo de comandante da Junta Militar. Assim que assumiu declarou ilegal a Unidade Popular (que apoiava o antigo governo), restringiu os direitos civis e dissolveu o congresso. No ano seguinte assumiu formalmente o cargo de presidente da república.

Foram 17 anos no poder. Oficialmente foram 3.197 mortos e mais de 30 mil vítimas de tortura. Além disso houve milhares de exilados políticos. O governo Pinochet conseguiu tirar o Chile de uma situação de hiperinflação. Alguns apontam seu governo como iniciador de uma política neoliberal no país. Reverteu uma situação onde o estado administrava 80% do PIB do Chile, promovendo privatizações e investindo em infraestrutura econômica. Com as medidas o Produto Interno Bruto chileno duplicou no período.

Na década de 70 as manifestações contrárias a ditadura militar chegaram a ONU, que condenou a política de Pinochet. Em 1977 o presidente americano Jimmy Carter recebe o ditador em Washington.

No dia 07 de setembro de 1986 membros da Frente Patriótica Miguel Rodriguez armam um atentado contra a vida do ditador. Cinco guarda-costas de Pinochet foram mortos mas ele escapou com vida.

Dois anos depois, pressionado pela comunidade internacional, convocou um plebiscito (já havia ganhado dois que prolongaram seu mandato). A votação abriu caminho para uma série de manifestações populares contra o regime militar. Cerca de 55% dos eleitores votaram “não” para a continuidade do governo, forçando Pinochet a convocar eleições presidenciais em 1989.

Em 1990 entregou a presidência ao democrata-cristão Patricio Aylwin. Continua como comandante do exército chileno, exercendo forte influência no governo. Em 1998 deixou o posto de chefe militar e assumiu o cargo de primeiro senador vitálicio do Chile com direito a imunidade parlamentar. Em 16 de outubro do mesmo ano foi preso em Londres a mando da justiça espanhola, que pretendia processa-lo por torturas.

Ficou 503 dias em prisão domiciliar na Inglaterra. Foi extraditado para o Chile sem um julgamento, alegando problemas de saúde.  Em 2002, três dias depois da Suprema Corte te-lô isentado totalmente de responder a qualquer acusação de crimes contra a humanidade alegando falta de capacidade mental, renunciou ao cargo no senado justificando com questões médicas.

Além das acusações de tortura e assassinato, Pinochet passou a responder a partir de 2004 por crimes financeiros. Surgiram denúncias que o ex-ditador mantinha contar no exterior com valor de 27 milhões de dólares.

Durante dois anos chega a cumprir pequenos períodos de prisão domiciliar por diversos crimes. No seu aniversário de 91 anos sua mulher leu uma carta onde Pinochet assumia a responsabilidade pelos acontecimentos durante seu governo.

Faleceu devido um infarto do miocárdio e um edema pulmonar. Não teve honras de chefe de estado. Após sua morte ocorreram diversas manifestações, tanto de apoio quando te repulsa ao ditador.

Páginas selecionadas pelo Editor

FOTOS HISTÓRICAS

Leila Diniz e amigas em 1967

Veja essa e outras imagens que marcaram época Leila Diniz e amigas em 1967

Foto: Ywane Yamazaki/Estadão

Tópicos
ver todos