ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Tostão

Eduardo Gonçalves de Andrade
25/01/1947, Belo Horizonte (MG)

Foram apenas 21 anos do primeiro chute a aposentadoria de um dos maiores craques que já passaram pelos campos brasileiros. Sua estreia em um gramado foi aos seis anos de idade em 18 de novembro de 1952, quando acabou improvisado na ponta-esquerda do time de seus vizinhos em uma partida contra os juvenis do Atlético Mineiro.

Ganhou o apelido devido ao seu tamanho, menor que dos colegas. Com seus dribles abusados ganhou destaque e foi incorporado ao time pelo técnico Itabís Helenus Vilela. Integrou o time amador da Associação Esportiva Industriários e chegou a participar do elenco do futebol de salão do Cruzeiro. Em 1961 viraria infanto-juvenil do América Mineiro.

Apesar de ser torcedor do clube não permaneceu tempo suficiente para integrar os profissionais. Em 1963 foi contratado pelo Cruzeiro e passou a integrar a equipe principal do time. Tostão tinha 16 anos. Virou ídolo e craque da equipe. Ganhou os principais títulos da época vestindo a camisa azul-celeste, entre eles o Campeonato Brasileiro de 1966 e os Mineiros de 65, 66, 67, 68 e 69.

Sua primeira vez na seleção brasileira foi no empate de 1x1 contra o Chile no Estádio do Morumbi, em 1966. No mesmo ano figurou na lista de convocados para a Copa do Mundo da Inglaterra. No torneio participou apenas da derrota para a Hungria por 3x1, quando marcou um gol.

O fim de sua carreira como jogador começou em 1969 com dois acidentes:o primeiro em um amistoso preparatório para a Copa do Mundo de 1970 contra o Milionários de Bogotá, quando sofreu um corte no supercílio.

 

 O segundo, mais grave, foi em uma partida contra o Corinthians, no dia 24 de setembro de 69, quando uma bolada causou um deslocamento periférico da retina com hemorragia do vítreo. Foi operado nos Estados Unido e conseguiu se recuperar a tempo para  integrar a equipe campeã da Copa do Mundo de 1970 no México.

Em 1971 se envolveu em uma briga com o presidente do Cruzeiro, Felício Brandi, devido a demissão do técnico Orlando Fantoni e a contratação de Dorival Knipel, mais conhecido por Yustrich , para o cargo. Ameaçou parar de jogar caso não fosse vendido. Foi disputado por diversos clubes entre eles Corinthians, Fluminense e Necaxa do México, mas acabou indo para o Vasco da Gama pela soma recorde na época de 4 milhões e 220 mil cruzeiros.

Uma nova operação aconteceu em 1973. Os médicos recomendaram que Tostão abandonasse o esporte devido ao risco de um impacto acabar totalmente com sua visão no olho esquerdo. Seus últimos lances em um gramado profissional foram junto a alguns meninos e uma bola de plástico no gramado do estádio de São Januário.

Dedicou-se à carreira de pequeno empresário em Belo Horizonte . Em 1974 começou a buscar outro sonho de infância: a medicina. Se matriculou em um cursinho para ciências médicas. Buscava abandonar o apelido e queria a ser conhecido pelo seu novo trabalho. Se formou médico em 1981 pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Virou comentarista na TV Bandeirantes durante a Copa do Mundo de 1994.Continuou a carreira de comentarista escrevendo para diversos jornais. Em 1997 escreveu o livro “Tostão- Lembranças, Opiniões e Reflexões sobre o Futebol”.Hoje continua comentando futebol escrevendo para diversos jornais. Entrou para a história como maior artilheiro do Cruzeiro com 248 gols marcados e como um dos melhores jogadores de todos os tempos.

Páginas selecionadas pelo Editor

Viu essa página?

Anúncio de lança-perfume em 1929

Entorpecente era permitido e sucesso no carnaval Anúncio de lança-perfume em 1929

Veja a edição completa de 13/1/1929

Tópicos
ver todos