ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Ubiratan

Ubiratan Pereira Maciel
18/1/1944, São José dos Campos (SP) – 17/7/2002, Brasília (DF)

Ficou conhecido como o “Rei dos Tapinhas” (devido a sua precisão nos rebotes) e “Cavalo de Aço”.  Nasceu em uma família pobre. Quando criança sonhava em ser jogador de futebol. Fez alguns testes na Portuguesa mas não conseguiu se destacar com a bola no pé. Acabou iniciando sua carreira no Espéria, treinando atletismo. Foi ali que jogou pela primeira vez basquete, convidado pelo técnico do clube que ficou impressionado com a impulsão daquele jovem que participava de uma competição de salto em altura.

Em 1961 com apenas 17 anos passou a defender o Corinthians. Com 1,98 de altura passou a se destacar ao lado de outros craques do basquete na época como Rosa Branca e Walmir Marques. No mesmo ano foi convocado para defender a seleção brasileira pela primeira vez.

Dois anos depois estava na equipe campeã mundial no Rio de Janeiro, na vitória sobre os Estados Unidos por 85x81 no Maracanãzinho. Na ocasião foi reserva da equipe. Entretanto a situação não permaneceria a mesma por muito tempo. No ano seguinte foi titular na campanha da Olimpíada de Tóquio, onde a seleção conquistou o terceiro lugar.

Acabou sendo um dos mais vitoriosos jogadores que vestiram a camisa do Brasil. Com a amarelinha disputou mais quatro títulos mundiais: foi bronze em Montevidéu em 1967 e nas Filipinas no ano de 78 (sendo o único remanescente da equipe campeão em 63), prata na Iugoslávia em 1970 e 6º colocado em Porto Rico em 74.

Nos jogos Olímpicos participou de mais duas edições: Foi quarto lugar na Cidade do México em 1968 e 7º em 72. Nos Jogos Pan-Americanos,foi medalha de prata em São Paulo no ano de 1963 e medalha de bronze na Cidade do México em 75 e em San Juan 79. Conquistou ainda cinco títulos sul-americanos. Deixou a seleção Brasileira em 1979. Considerava ter cumprido sua missão “com garra e tenacidade”.

Sua principal decepção com a seleção foi não ter sido convocado pelo técnico Cláudio Mortari para a Olimpíada de 1980 em Moscou. Ele se tornaria o primeiro atleta a disputar quatro edições seguidas dos jogos (acabaria sendo superado pelo companheiro Oscar que completou cinco).

Sua carreira nos clubes também teve grandes momentos. Ao todo jogou em seis agremiações. Seus principais títulos foram conquistados no Corinthians. No alvinegro se sagrou campeão paulista cinco vezes (1964, 1965,1966, 1968 e 1969) além de três títulos no Campeonato Brasileiro (1965, 1966, e 1969). Outro momento importante jogando pelo time de Parque São Jorge foi o vice-campeonato mundial em 1965.

Também jogou no maior rival do Timão, o Palmeiras. Lá conquistou três paulistas (1974, 1975 e 1976). Conquistou ainda mais dois títulos estaduais: um pelo Sírio e um pelo Tênis Clube de São José. No exterior jogou três anos na Itália, no Sprungen de Veneza a partir de 1970. Foi o primeiro jogador brasileiro de basquete a jogar no exterior. Voltou ao Brasil em 1973.

Ubiratan encerrou a carreira em 1982 depois de mais de 30 anos dedicados ao esporte. Logo após deixar as quadras voltou aos estudos (que havia abandonado pelo basquete) e se formou em Educação Física. Sua qualidade dentro das quatro linhas sempre foi reconhecida internacionalmente.  Foi indicado três vezes para o Hall da Fama da FIBA (Federação Internacional de Basquete), onde entrou em setembro de 2009.

Também foi reconhecido pela torcida em 2001. Voltou a Iugoslávia para um torneio de master e foi aplaudido de pé pelos presentes no ginásio.

Se mudou para Brasília onde passou a trabalhar no Ministério dos Esportes. Também montou na cidade clínicas esportivas para crianças.  Ubiratan faleceu  jovem, aos 58 anos de idade, após ficar meses em coma devido a três paradas cardíacas no dia 08 de fevereiro de 2002. Foi casado duas vezes e deixou quatro filhos, três deles da primeira esposa.

Ubiratan continuou sendo reverenciado após sua morte. Em 2010 entrou para o Hall da Fama dos Estados Unidos, que fica na cidade de Springfield. 

Páginas selecionadas pelo Editor

PÁGINAS HISTÓRICAS

Proclamação da República

Veja essa e outras capas que marcaram época Proclamação da República

Acervo Estadão

Tópicos
ver todos