ir para o conteúdo
Busca
Busca por data

Cinema

28/09/1895, Paris

Inventado pelos irmãos Louis e Auguste Lumière, o cinema é considerado a 7ª arte. Trata-se de uma sequência de imagens que gera movimento. Inicialmente foi utilizado para retratar cenas do cotidiano, sem história. A primeira exibição que ficou famosa retratava apenas a chegada de uma locomotiva em uma estação. A invenção surpreendeu muitas pessoas, que chegavam a sair apavoradas da sala achando que tratava-se de um trem de verdade.

Quem acabou utilizando o instrumento para dar vida à dramaticidade foi o também francês Georges Méliès. Começou filmando cenas do dia a dia em 1896, mas logo levou o novo invento para o caminho do 'fantástico'. É o inventor da técnica stop-motion que permitiu utilizar na os primeiros efeitos especiais. Entre seus filmes estão alguns dos primeiros clássicos do cinema como “Viagem à Lua” (1902) e “O Reino das Fadas” (1903).

No mesmo período, o cinematógrafo chegava no Brasil. A primeira exibição foi realizada na sede do Jornal do Commercio em 1896. Um dos primeiros cinegrafistas a filmar o País foi o italiano Affonso Segretto que gravou “Uma vista da Baia de Guanabara” em 1898.

Foi nos Estados Unidos que o cinema ganhou força. Pouco tempo após a criação do invento, as principais cidades americanas tinham como atração telas onde eram exibidas produções de tipos diversos. De cenas cotidianas a imagens de dançarinas e atores. Os primeiros filmes americanos com história datam do começo do século com “The Great Train Robbery” (1903). A principal obra do começo do cinema americano foi “The Birth of a Nation”(1915), de D. W. Griffith.

Foi durante a Primeira Guerra Mundial que o setor nos Estados Unidos deu um salto em relação aos concorrentes europeus. Com a Europa preocupada com o conflito, o cinema americano acabou atraindo os investimentos e os atores que se aventuravam a trabalhar com o invento. É nessa época que surgem os primeiros grandes estúdios como a Paramount  (chamada inicialmente de Famous Players) e a Fox.

Na Europa a Alemanha, com seu expressionismo e realismo, criou obras como “O gabinete do Dr. Caligari” (1919) e “Nosferatu”, de 1922. Na década ainda trouxe para as telas o épico em duas partes “Os Ninbelugo” (entre 1923 e 1924) e “Metrópolis” (1926). Na Rússia, o “pai” do cinema, Seguei Eisenstein, lançou “O Encouraçado Potemkin” (1925).

A primeira grande revolução do cinema viria com o som nos filmes. Quem conseguiu desenvolver a tecnologia para sincronizar falas e música com a imagem foi o estúdio Warner Brothers, que lançou “The Lights of New York”, em 1928. Um dos últimos filmes mudos foi “Tempos Modernos” (1936), de Charles Chaplin.

No Brasil, o cinema só se desenvolveu na década de 1930 com o início das chanchadas dos estúdios Atlântida, comédias musicais com artistas de rádio e teatro como Carmem Miranda. Com a abertura dos estúdios Vera Cruz, em 1940, o País pode colher frutos diferentes. Destaque para “O Cangaceiro” (1953) e o Cinema Novo que cresceu na década de 1960 tendo como principal representante Glauber Rocha.

As cores nos filmes chegaram em 1935 quando “Becky Sharp” (“Vaidade e Beleza”, de 1935) foi pioneiro na utilização no sistema de três cores desenvolvido pela empresa Technicolor. As experiências com cores no cinema datam do final do século 19. As obras em preto e branco continuaram ainda por algum tempo, tanto pelo custo quanto pelo desejo do diretor. Nessa época surgiu o filme que é considerado um dos maiores do cinema, “Cidadão Kane”, de Orson Welles. Na década de 40 o cinema passou a ser usado como propaganda política. Um exemplo clássico pode ser observado na Alemanha nazista que usou as telas para propagar suas ideias de supremacia de raça.

Em 1937 foi lançado o primeiro longa de animação, “Branca de Neve e os Sete Anões”, da Disney. Os desenhos animados teriam outra grande  mudança apenas na década de 90, com o lançamento de “Toy Story” primeira animação em computação gráfica.

O principal prêmio do cinema comercial surgiu em 1929. O Oscar foi criado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Os maiores vencedores são “Ben-Hur” (1959), “Titanic” (1997) e “O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei” (2003), os três com 11 Oscars cada um.

Páginas selecionadas pelo Editor

Viu essa página?

Debate eleitoral

Relembre Collor x Lula em 1989 Debate eleitoral

Veja a edição completa de 15/12/1989

Tópicos
ver todos